Estudantes da U.Porto integram programa da Agência Espacial Europeia

Experiências vão ser desenvolvidas no Centro Europeu de Pesquisa e Tecnologia Espacial (ESTEC) da ESA, na Holanda. (Foto: ESA)

Uma equipa de estudantes da Universidade do Porto foi selecionada para participar na edição 2014 do “Spin your Thesis!”, um programa organizado anualmente pela Agência Espacial Europeia (European Space Agency, ESA) que dá aos participantes a oportunidade única de desenvolverem as suas experiências científicas em ambiente de hipergravidade, nas instalações da ESA.

O trabalho de investigação proposto pela equipa AngioGravity pretende estudar o efeito da hipergravidade na formação e crescimento de vasos sanguíneos, o que pode ter aplicação no campo da medicina regenerativa, assim como em vários processos patológicos. A iniciativa permitirá à equipa portuguesa – a única selecionada para integrar o programa –  realizar as suas experiências utilizando as instalações gravitacionais do Centro Europeu de Pesquisa e Tecnologia Espacial (ESTEC), em Noordwijk, na Holanda.

A equipa é constituída por Daniel Carvalho, Guilherme Aresta e Miguel Ferreira, todos eles estudantes do Mestrado Integrado em Bioengenharia da U.Porto, organizado conjuntamente pela Faculdade de Engenharia (FEUP) e pelo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar ICBAS). A estes junta-se Raquel Almeida, estudante de Doutoramento do Programa MIT Portugal em Sistemas de Bioengenharia, sob a orientação de Pedro Granja, investigador do Instituto de Engenharia Biomédica (INEB), da Universidade do Porto.

Organizada pelo Gabinete de Educação da ESA (ESA Education Office), a quinta edição do “Spin your Thesis!” vai decorrer de 8 a 19 de setembro de 2014, período a que corresponde à realização das experiências nas instalações da ESA. Para além da equipa portuguesa, participam ainda duas equipas holandesas e uma italiana. Dos resultados obtidos espera-se que resulte a publicação de artigos científicos em revistas da especialidade, bem como a sua apresentação em conferências internacionais.

O projeto da equipa AngioGravity  será financiado pelo programa “Spin Your Thesis!” e pelo INEB.