“Modernidade Permanente” de Fernando Távora na Capital da Cultura

Com um percurso ligado à Escola Superior de Belas Artes e à FAUP, Fernando Távora é uma das figuras maiores da "Escola do Porto"

Oferecer uma leitura transversal da obra do arquiteto portuense e a sua relação com o exercício do ensino da Arquitetura é o objetivo principal do projeto “Fernando Távora: Modernidade Permanente” que, a partir do próximo sábado, dia 17 de novembro, vai passar a integrar o programa da Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura.

Coordenado pelo arquiteto Álvaro Siza Vieira, o projeto Modernidade Permanente acolhe um conjunto de iniciativas, a decorrer até 15 de fevereiro de 2013, em que se procurará celebrar o legado de Fernando Távora (1923-2005) como arquiteto mas também como estudante e professor da Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP), onde começou a lecionar, e da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP), que ajudou a instalar . O programa inclui conferências, visitas guiadas a património edificado na cidade de Guimarães, a publicação fac-simile do Diário de “Bordo” (de 1960) e, na abertura do projeto, uma exposição, com inauguração marcada para as 17 horas de sábado.

Patente na Escola de Arquitetura da Universidade do Minho (Campus de Azurém,Guimarães), a exposição agrega um conjunto de documentos, ora pertencentes ao âmbito do desenho e da fotografia de arquitetura, ora ao âmbito documental dos registos existentes sobre as aulas, conferências e viagens de estudo protagonizadas por Fernando Távora. Mais do que explorar a imensidão e a complexidade da obra e pensamento do arquiteto , a exposição procura centrar-se no carácter pedagógico e explorar as relações entre o exercício do ofício de mestre com o exercício da arquitetura que marcaram a vida daquele que Eduardo Souto Moura apelidou como “pai da escola do Porto”.

A exposição pode ser visitada durante toda a semana (de segunda a sexta-feira, das 9 às 19 horas; e aos fins-de-semana das 14 às 18 horas).

O catálogo da exposição é publicado no dia 22 de novembro, dia marcado também pela realização de um ciclo de conferências no Salão Nobre da U.Minho (no campus de Azurém, em Guimarães). Comissariadas por Alexandre Alves da Costa, professor jubilado da FAUP, estas sessões vão abordar a obra de Fernando Távora a partir da perspetiva de cinco conferencistas de renome internacional (William Curtis, Manuel Mendes, Jorge Figueira, Max Risselada e Daniele Vitale).

Do programa de “Fernando Távora Modernidade Permanente” consta ainda uma série de visitas guiadas à exposição e a obras na cidade de Guimarães, tal como a Escola de Arquitetura da U.Minho ou a Pousada de Santa Maria da Costa. A informação completa sobre as visitas guiadas pode ser consultada no site da Casa da Arquitetura.

“Fernando Távora Modernidade Permanente” é organizado pela Fundação Cidade de Guimarães, no âmbito da Guimarães 2012. O projeto é da autoria da Família Fernando Távora, da Associação Casa da Arquitetura e da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS), organismo ligado à Universidade do Porto que está responsável, desde 2011, pela inventariação, valorização e futura disponibilização de todo o acervo – livros, projetos de obras, notas de viagem, maquetes e mobiliário de escritório, etc, – que compõe o arquivo profissional e a biblioteca de Fernando Távora.