Em 2019, assinalam-se os 100 anos do nascimento do poeta e escritor Jorge de Sena. E para assinalar o Centenário de um dos seus antigos estudantes mais ilustres, a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) preparou uma Maratona Literária, em que desafia todos os membros da faculdade – estudantes, colaboradores, professores e alumni – a dar a voz na leitura coletiva de uma das obras mais emblemáticas do “Escritor da Casa”.

A Maratona Literária Jorge de Sena centra-se então no livro “O Físico Prodigioso”, uma obra de ficção escrita por Jorge de Sena em 1964. “Símbolo da liberdade e do amor”, nas palavras do próprio autor, nesta obra Jorge de Sena afirma-se como escritor plural, criando um ambiente medieval, religioso e mítico, evocando cantigas de amigo e sublimando um texto marcado pelo erotismo, breve marca do humano, punida pela moralidade vigente.

São essas características que se pretende manter na Maratona Literária proposta pela FEUP. Os interessados em participar devem começar por enviar um e-mail para jorgedesena100@fe.up.pt, manifestando o interesse em colaborar na Maratona. A organização enviará posteriormente um excerto da obra a cada participante, que este deverá ler/declamar e gravar em formato mp3.

Os registos áudios que resultem da maratona de leitura serão divulgados nos canais online da FEUP. Da compilação destes registos áudio resultará ainda a publicação de um áudio livro, que será posteriormente cedido à Biblioteca Sonora Digital da Biblioteca Pública Municipal do Porto.

Mais informações aqui.

Sobre Jorge de Sena

Natural de Lisboa, onde nasceu a 2 de novembro de 1919, Jorge de Sena veio para o Porto em 1940, aí concluindo o curso de Engenharia Civil da FEUP, sete anos mais tarde. Em 1947, inicia a carreira de engenheiro, que duraria 14 anos, com passagens pela Câmara Municipal de Lisboa, Direção-Geral dos Serviços de Urbanização e Junta Autónoma das Estradas (JAE), até ao seu exílio para o Brasil, em 1959.

Em 1942, Sena publica o seu primeiro livro de poemas, Perseguição, com a qual inicia o percurso que o levaria a ser considerado uma figura maior da cultura portuguesa do século XX. Nas décadas seguintes, produziu uma extensa e variada obra, constituída por cerca de vinte antologias de poesia, uma tragédia em verso, dez peças em um ato, mais de trinta contos, uma novela, um romance, aproximadamente quarenta volumes de crítica e ensaio – sobre Camões, Fernando Pessoa, história e teoria da literatura inglesa, teatro, cinema, artes – e traduções de poesia, de ficção, de teatro e de ensaio.

Jorge de Sena foi também conferencista, crítico de teatro e de literatura, comentador de cinema, diretor de publicações como os Cadernos de Poesia, coordenador editorial na revista Mundo Literário, consultor literário na edição dos “Livros do Brasil” e na editora brasileira Agir, co-fundador do grupo de Teatro “Os Companheiros do Páteo das Comédias” (1948), colaborador de António Pedro no programa de rádio Romance Policial, do Rádio Clube Português, e adaptador de contos.

Morreu a 4 de Junho de 1978, aos 68 anos, em Santa Barbara, na Califórnia (EUA).

Da memória…

Em 2011, o Clube de Leitura da FEUP celebrou o legado de Jorge de Sena numa ação conjunta com a Biblioteca e o Comissariado Cultural da faculdade. Na ocasião, o antigo professor da FEUP, Joaquim Sarmento (1916-2018) – recordou a vida e a obra de “Jorge de Sena, o escritor da casa”. Recordamos abaixo esse registo: