Estudantes da FEUP lançam foguetão em direção ao espaço

O foguetão REXUS foi lançado para o espaço e chegou a atingir uma altitude de 75 quilómetros. (Foto: SSC Esrange Space Center)

Recordam-se do foguetão que ia ser lançado numa experiência conduzida por um grupo de estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) em março de 2018, no âmbito do Programa BEXUS da Agência Espacial Europeia (ESA)? Pois bem: após um adiamento devido a uma falha num lançamento anterior, o foguetão REXUS 23 foi finalmente enviado para o espaço no passado dia 4 de março, precisamente um ano após a data prevista, e a partir do ESRANGE Space Center, no norte da Suécia.

O relógio marcava 09h50 quando o foguetão descolou do solo. Atingiu o apogeu máximo aos 75 quilómetros, momento em que completou a sua trajetória parabólica e aterrou aproximadamente a 40 quilómetros do centro espacial. Embora com alguns danos, foi possível recuperar as cargas do rocket, estando agora as equipas a analisar todos os resultados.

Equipa da FEUP “partilhou” o foguetão com mais três equipas alemãs e uma suiça. (Foto: SSC Esrange Space Center)

A experiência SPANSPAce Navigation Using Signals of Opportunity, inserida no programa REXUS (Rocket EXperiments for University Students) contou com a participação de sete estudantes da FEUP – Américo Duarte, Bruno Correia, Carlos Marinho, David Leite, Nuno Moreira, Nuno Schumacher e Pedro Costa – sob a orientação de Sérgio Cunha, professor do Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, e de Zaida Silva, tendo como principal objetivo demonstrar a viabilidade de navegar a alta altitude através da receção de sinais rádio de oportunidade (sinais de rádio cujo objetivo primário não é o de navegação, como é o caso da televisão digital terrestre ou estações base de telemóveis, que são difundidos com alcance significativo), o que pode constituir uma alternativa ao método atualmente mais utilizado – o GPS.

Apoiada pela ESA e pelo Centro Aeroespacial Alemão (German Aerospace Centre – DLR), a equipa portuguesa partilhou o rocket com três equipas alemãs e uma suiça, que trabalharam em diferentes objetivos, o que resultou numa tripla experiência: DAEDALUS, constituída por membros da Universidade de Würzburgo; TESOS, que integrava estudantes da Universidade Técnica de Munique, VIPER, formada por estudantes da Universidade de Aachen e ARES II da Universidade de Ciências Aplicadas e Artes (HES – SO).

A experiência SPAN teve o patrocínio da FEUP, nomeadamente do Departamento de Engenharia Electrotécnica e dos Computadores e do Departamento de Engenharia Física, e ainda das empresas FERROVIAL e ITGROW.

Sobre o REXUS-BEXUS

O REXUS-BEXUS é um programa da ESA organizado em parceria com o German Aerospace Center (DLR), o Swedish National Space Board (SNSB), o Mobile Rocket Base (MORABA) e o Center of Applied Space Technology and Microgravity (ZARM). Durante as diversas fases do projeto os estudantes têm o apoio técnico dos peritos das diferentes agências espaciais envolvidas. Os lançamentos das experiências acontecem a partir do SSC, no ESRANGE Space Center, no norte da Suécia.