Estudantes de Engenharia à conquista do espaço

A equipa SPAN quer demonstrar a viabilidade de navegar a alta altitude através da receção de sinais rádio de oportunidade. (Foto: DR)

Motivados pelo grande êxito da participação no programa BEXUS da Agência Espacial Europeia (ESA), um grupo de estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) decidiu candidatar-se a um novo projeto, desta vez para a construção de um foguetão. Inserida no programa REXUS (Rocket EXperiments for University Students), a experiência portuguesa também designada SPAN (Space Navigation Using Signals of Opportunity) baseia-se na navegação usando sinais de oportunidade e está a ser implementada há um ano. O projeto está agora em fase de entrega às agências espaciais envolvidas e é já um marco para estes estudantes, visto serem os primeiros portugueses a participar no programa da ESA.

Juntamente com outras 10 equipas, Américo Leão Duarte, Bruno Correia, David Leite, Nuno Moreira, Pedro Costa e Nuno Schumacher, do Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC), e Carlos Marinho, do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica (MIEM), estão empenhados em conseguir lançar experiências científicas para a estratosfera a partir de um foguetão. O principal objetivo da equipa portuguesa é demonstrar a viabilidade de navegar a alta altitude através da receção de sinais rádio de oportunidade (sinais de televisão digital terrestre ou estações base de telemóveis, que são difundidos com alcance significativo). A experiência SPAN vai incorporar um relógio atómico, o que por si só constitui uma inovação no programa promovido pela ESA.

De partida para Bremen, na Alemanha, onde vão entregar parte da experiência já concluída, Américo Leão Duarte explica que “este novo projeto pretende comprovar que é possível navegar com sinais de oportunidade a maiores altitudes (90km), além de que irá processar a informação em tempo real, enviando diretamente para terra a posição do rocket”. Entusiasmado com o trabalho desenvolvido, o estudante finalista da FEUP admite que “desenvolver uma ‘obra’ de engenharia à escala europeia e lançá-la num rocket é sem duvida uma grande motivação para nos superarmos, trabalharmos e colocar os nossos conhecimentos em prática. Acreditamos que este projeto é uma mais valia para os membros da equipa”.

Para Sérgio Reis Cunha, professor da FEUP e coordenador da participação da equipa portuguesa neste programa “esta é uma oportunidade de aproximar o ensino universitário português ao Espaço através de uma implementação real de um desafio que coloca uma experiência da Universidade do Porto em condições quase que orbitrais”.

Além do Departamento de Engenharia Física da FEUP, a experiência tem sido apoiada pela EFACEC, a IT GROW e a FERROVIAL.

O lançamento do foguetão está previsto para março 2018, em Kiruna, na Suécia.

Sobre o REXUS-BEXUS

É um programa da ESA organizado em parceria com o German Aerospace Center (DLR), o Swedish National Space Board (SNSB), o Mobile Rocket Base (MORABA) e o Center of Applied Space Technology and Microgravity (ZARM). Durante as diversas fases do projeto os estudantes têm o apoio técnico dos peritos das diferentes agências espaciais envolvidas. Os lançamentos das experiências acontecem a partir do SSC, no ESRANGE Space Center, no norte da Suécia.