Desenhos de Marques da Silva em exposição no Centro Cultural de Belém

Vai ser inaugurada esta  terça-feira, 6 de março, na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém, a exposição Desenhos de Marques da Silva no Atelier Laloux 1890-1896 que dá a conhecer o conjunto de desenhos realizados pelo famoso arquiteto portuense enquanto aluno da École Nationale et Spéciale des Beaux-Arts de Paris, no atelier de Victor Laloux.

Figura de proa da arquitetura portuguesa da primeira metade do século XX e “fundador” de alguns dos princípios que mais tarde dariam origem à “Escola do Porto”, José Marques da Silva (1869-1947) notabilizou-se pelo caráter eléctico e variado da sua obra, construída sobretudo no norte de Portugal e com uma matriz parisiense que se tornou fundamental para a caracterização da cultura arquitetónica portuguesa. É a essas “raízes” que retorna uma exposição onde se apresenta um núcleo de desenhos de arquivo pertencentes ao período da sua formação em Paris, entre 1889 e 1896, quando foi aluno da École Nationale et Spéciale des Beaux-Arts e discípulo de Victor Laloux, o arquiteto da Gare d’Orsay.

Organizada pela Fundação Marques da Silva (FIMS), a exposição reúne um total 78 desenhos, incluindo 62 trabalhos académicos desenvolvidos entre 1890 e 1896. “São documentos raros, que revelam tanto da personalidade artística e expressão do seu autor quanto constituem um testemunho do processo de aquisição e domínio instrumental no âmbito de um processo evolutivo de aprendizagem. São desenhos que transportam uma dupla dimensão: por um lado, esclarecem e indiciam a base estruturante de uma prática profissional futura, por outro, são ilustrativos dos paradigmas do ensino das Beaux-Arts e dos cânones estéticos que presidem a uma arquitetura que se pretendia eclética, funcional e internacional”, lança a FIMS.

Com desenho expositivo de Ivo Poças Martins, est aexposição surge num momento em que o conjunto foi alvo de um estudo sistemático, por Clara Vieira, e de um programa de restauro, por Ana Freitas. Operações basilares, complementadas pelas reflexões que Rui Jorge Garcia Ramos, Raquel Henriques da Silva ou Joaquim Pinto Vieira foram trazendo à sua leitura. Será de Joaquim Pinto Vieira, a autoria do texto que acompanha esta primeira apresentação pública do conjunto.

“Desenhos de Marques da Silva no Atelier Laloux 1890-1896” inaugura também a série Arquivos, uma linha de programação que a Garagem Sul vai lançar para apresentar conteúdos preservados num número cada vez maior de instituições que, à imagem da Fundação Marques da Silva, se dedicam à salvaguarda, tratamento e valorização de acervos de arquitetos.

A exposição vai estar patente até 17 de junho e pode ser visitada de terça-feira a domingo, entre as 10h00 e as 18h00. A entrada custa 5 euros para o público em geral (estudantes e maiores de 65 anos têm um desconto de 50%. e menores de 18 anos têm entrada gratuita).

Mais informações aqui, ou na página do evento no Facebook.

Sobre a Fundação Instituto José Marques da Silva

Instituída pela Universidade do Porto em 2009, a Fundação Instituto José Marques da Silva (FIMS) tem como missão a promoção científica, cultural, formativa e artística – designadamente a classificação, preservação, conservação, investigação, estudo e divulgação – de todo o património artístico e arquitetónico de José Marques da Silva, arquiteto portuense e antigo estudante e professor Academia Portuense de Belas-Artes, e da Escola de Belas-Artes do Porto, instituições que, anos  mais tarde, estariam na génese das atuais faculdades de Arquitectura (FAUP) e de Belas Artes da U.Porto (FBAUP). Complementarmente, é responsável pelo acolhimento ou incorporação de outros fundos ou unidades documentais relativos à arquitetura e ao urbanismo portuense e português. Entre estes contam-se os acervos pessoais de grandes nomes da arquitetura portuguesa como Maria José Marques da Silva Martins, David Moreira da Silva, Fernando Távora ou Alcino Soutinho.