Álvaro Siza recebe Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública

Siza Vieira é Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Arquitectura da U.Porto. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

O Presidente da República condecorou esta terça-feira o arquiteto Álvaro Siza Vieira, com a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, distinção que assinala a vertente de pedagogo do Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto​ (FAUP).

Numa cerimónia realizada no Palácio de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que condecorar Siza Vieira “é agraciar um génio multifacetado: de criação mas também de pedagogia, de inventiva mas de serviço de comunidade, de afirmação pessoal mas também militância cívica”. O chefe de estado agradeceu ainda a Álvaro Siza Vieira por todos os dias fazer as pessoas acreditarem “um pouco mais em Portugal”.

Aquando do anúncio da distinção, no início do mês, Marcelo Rebelo de Sousa lembrava que “há uma vertente fundamental da personalidade de Siza Vieira que ainda não foi devidamente assinalada, que é a do pedagogo. Ajudou a criar uma escola, criou discípulos, mas criou uma nova mentalidade no país, abriu caminhos através da sua formação”, justificou então o Presidente da República, acrescentando que Siza “é um professor e é um mestre, além de ser um genial criador do domínio da cultura”.

Esta é a terceira vez que Álvaro Siza Vieira é galardoado pelo Presidente da República. Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada desde 1992, é ainda detentor da Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, desde 1999.

Nascido em Matosinhos, em junho de 1933, Siza Vieira estudou Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) – antecessora das faculdades de Arquitectura e de Belas Artes da Universidade do Porto – entre 1949 e 1955. “Discípulo” de Fernando Távora, de quem foi colaborador entre 1955 e 1958, ensinou na ESBAP entre 1966 e 1969, tendo lecionado posteriormente na FAUP, onde deu a última aula em outubro de 2003.

Com uma obra amplamente reconhecida a nível nacional e internacional, assinou projetos emblemáticos como os da Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira, da Faculdade de Arquitectura da U.Porto, da Biblioteca da Universidade de Aveiro, do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, da Igreja de Marco de Canaveses, ou do Pavilhão de Portugal na Expo 98.

Galardoado com o Prémio Pritzker, em 1992, Siza Vieira é o mais premiado arquiteto português, somando distinções um pouco por todo o mundo. Entre elas incluem-se a Medalha Alvar Aalto e o Prémio de Arquitetura Contemporânea Mies van der Rohe, em 1988, o Prémio AICA/SEC, da Associação Internacional dos Críticos de Arte, assim como o Leão de Ouro da Bienal de Veneza, em 2002, e o Leão de Ouro de Carreira, entregue em 2012.