i3S integra consórcio europeu que quer educar os cientistas do futuro

Consórcio envolve 11 parceiros de nove países europeus. (Foto. DR)

A Comissão Europeia acaba de financiar com 2,4 milhões de euros para três anos o projeto «INTEGRITY», através do Programa Horizonte2020. Trata-se de um consórcio com 11 parceiros de nove países europeus, do qual o i3S – Instituto de investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto faz parte, que visa desenvolver estratégias e ferramentas de ensino da integridade na Ciência.

Liderado pela Universidade de Utrecht, este consórcio pretende dar resposta às exigências e necessidades atuais da investigação no que diz respeito à «Conduta Responsável em Investigação», tendo por base três valores fundamentais: Transparência, Honestidade e Responsabilidade.

A estratégia da equipa do INTEGRITY é criar conhecimento e produzir ferramentas para apoiar os professores do ensino secundário e universitário que frequentemente são solicitados a ensinar ética profissional e integridade. Segundo Anna Olsson, responsável pelo projeto em Portugal, «todos os membros desta equipa multidisciplinar que vai desenvolver o projeto já passaram pelo desafio de terem de ensinar integridade sem materiais de apoio e com recursos muito limitados e têm, por isso, plena consciência das dificuldades que os docentes europeus sentem».

Baseada na experiência e conhecimentos adquiridos ao longo de anos, esta equipa irá construir ferramentas que possam ser usadas por todos os professores europeus, evitando assim que cada um tenha de «construir» o seu plano de trabalho. A diversidade de propostas é grande: desde módulos de ensino em boas práticas, MOOCs (Massive Open Online Course – Curso Online Aberto e Massivo), até filmes interativos.

A investigadora do i3S explica também que «existe uma necessidade premente por parte dos alunos de várias áreas da Ciência e de muitos países em aprenderem a lidar com os desafios de um meio académico e científico muito competitivo». Por isso, adianta, o «intuito final é que os futuros investigadores adquiram essas práticas e conhecimento durante a sua formação no ensino secundário e no ensino universitário».

A integridade académica, sustenta Anna Olsson, «não é apenas sobre os grandes escândalos ou sobre desonestidade e má intenção, é sobre os desafios que todos os académicos enfrentam ao longo de sua carreira».  Tratar de forma responsável as questões da integridade dentro das instituições significa criar consciência, discutir as questões e desenvolver uma compreensão compartilhada do que é uma boa prática.