Universidade do Porto dá as boas-vindas a estudantes sírios

estudantes sírios com o Reitor

A chegada dos novos estudantes foi assinalada com um encontro informal com o Reitor da U.Porto.

A Universidade do Porto acolhe no ano letivo 2015/2016 seis estudantes sírios ao abrigo da Plataforma Global de Apoio Académico aos Estudantes Sírios (APGES)uma iniciativa liderada pelo ex-Presidente da República, Jorge Sampaio, destinada a prestar ajuda de emergência académica a jovens que viram os seus estudos interrompidos por causa da guerra na Síria.

A U.Porto foi uma das primeiras instituições a associar-se a este programa de apoio internacional que, desde 2014, tem permitido que dezenas de estudantes sírios tenham a oportunidade de prosseguir os estudos de ensino superior fora do seu país. É o caso dos quatro estudantes que chegaram à Universidade no ano letivo passado para frequentar o programa de doutoramento em Engenharia Biomédica (Faculdade de Engenharia), o Programa de Mestrado em Planeamento e Projeto Urbano (FEUP e Faculdade de Arquitetura), o Mestrado em Ciências da Comunicação (Faculdade de Letras) e o Mestrado em Saúde Pública (Faculdade de Medicina e ICBAS).  Já este ano, a U.Porto recebeu mais dois estudantes, que vão também frequentar o Programa de Mestrado em Planeamento e Projeto Urbano.

A chegada dos novos estudantes foi assinalada com um encontro informal (ver vídeo abaixo) que juntou o Reitor da U.Porto e quatro dos estudantes sírios no edifício da Reitoria. “Este é um dia pesado para eles mas, ao mesmo tempo, para nós é um dia agradável porque sentimos que  estamos a cumprir o nosso papel de apoio a causas difíceis como esta”, realçou Sebastião Feyo de Azevedo.

Depois de conduzir os estudantes numa visita ao Salão Nobre e à Sala do Conselho, o Reitor teve a oportunidade de os conhecer melhor durante um lanche no café Piolho. “São pessoas com imensa cultura e que estão a passar por uma situação muito difícil. Mas tenho a certeza de que, dentro das grandes dificuldades por que estão a passar e de um sofrimento que não se pode apagar, vão ser bem recebidos e vão ter oportunidade para se prepararem para um dia voltarem ao seu país. Nós cá estaremos para os ajudar”.

O apoio atribuído pela U.Porto no âmbito da APGES permite cobrir os encargos com alojamento e preparação linguística, bem como o valor das propinas dos programas de estudos que os estudantes estão a frequentar. Mas não só. A Universidade pode “oferecer-lhes conhecimento, calor humano e esperança”, remata o Reitor.