FEUP aposta nas mais-valias da cortiça aplicadas à indústria têxtil

cork_300_200Desenvolver produtos inovadores e de elevada performance que incorporem em simultâneo as propriedades dos substratos têxteis ao nível do conforto, toque e aspeto e as mais-valias funcionais da cortiça, promovendo o conceito eco-friendly. É este o objetivo do projeto Cork-a-Tex que iniciou em janeiro de 2014 através de um consórcio que integra a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), a Sedacor, a Têxteis Penedo e o CITEVE e que tem investido na descoberta de novos materiais e combinações relativamente à incorporação da cortiça nos texteis.

Impermeabilidade. Elasticidade. Durabilidade. São características da cortiça que a tornam uma matéria-prima de elevado potencial para a indústria têxtil. Trata-se de identificar mais-valias funcionais, estéticas e de sustentabilidade na cortiça que, conjugadas com as propriedades dos texteis podem dar origem a produtos diferenciadores, inovadores, mais sustentáveis e com maior incorporação de matérias-primas nacionais.

“Existem já alguns produtos que utilizam a combinação destes materiais, embora nenhum com esta abordagem”, assegura Fernando Pereira. O responsável na FEUP pelo projeto admite que “os resultados já obtidos levaram o consórcio a iniciar o processo de registo de patente desta tecnologia”.

A aplicabilidade deste tipo de materiais é elevada. O mercado é muito vasto e pode ir desde o têxtil lar e o vestuário até à marroquinaria, mobiliário e até mesmo decoração, “o que irá permitir às empresas entrar em mercados competitivos e com grande potencial de crescimento”, esclarece Fernando Pereira. Ao mesmo tempo, “espera-se promover e estimular a inovação e o desenvolvimento tecnológico das empresas aumentando a sua competitividade, através da criação de relações de sinergia entre duas empresas de diferentes setores, nomeadamente o setor industrial corticeiro e os têxteis e vestuário, bem como com as entidades do Sistema Científico e Tecnológico (SCT): CITEVE e FEUP”.

O projeto Cork-a-Tex venceu recentemente o prémio INOVATÊXTIL 2015 na categoria Produtos.

Sabia QUE… 

O setor têxtil e do vestuário representa cerca de 20% do emprego da Indústria Transformadora, 8% do volume de negócios da Indústria Transformadora, 8% da produção da Indústria Transformadora e cerca de 10% da totalidade das exportações portuguesas? Isto porque quase 70% do seu produto é dirigido para o exterior do espaço português, o que se reveste de particular relevo já que falamos de 12 mil empresas (cerca de 6 mil em nome individual), e de 127 mil trabalhadores, com uma exportação de 4,8 mil milhões de euros.

Fonte: ATP