Ébola, cólera e tuberculose preocupam especialistas em Saúde Global

ébola e informáticaNo dia 15 de setembro, o Centro de Investigação Médica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) vai ser palco do Dia da Saúde Global – o pré-curso do Young European Scientist Meeting (YES Meeting). Organizado em parceria com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o evento traz ao Porto alguns dos nomes mais importantes da Saúde Global a nível nacional e internacional.

Às 9h30, Jorge Sampaio falará sobre a sua experiência como  Enviado Especial da ONU para a Luta Contra a Tuberculose, uma doença que, em 2014, terá afetado mais de 9 milhões de pessoas em todo o Mundo. Fernando Nobre é outro dos oradores convidados. Vai falar sobre as suas mais marcantes experiências na AMI – Assistência Médica Internacional.

A segunda sessão tem início às 11h30 e será dedicada à Medicina Tropical. Os palestrantes são Christopher Dye (diretor de Estratégia do Gabinete do Diretor-geral da Organização Mundial de Saúde) e Beat Stoll (investigador do Instituto de Saúde Global da Universidade de Genebra).

Christopher Dye esteve envolvido no controlo da epidemia de ébola. Recorde-se que entre 2014 e 2016, o vírus do ébola, identificado pela primeira vez há quatro décadas, vitimou mais de 11 mil pessoas. O balanço, que a OMS admite estar ainda subavaliado, é superior a todas as epidemias de ébola acumuladas desde a identificação do vírus na África Central, em 1976. A OMS deu a epidemia como terminada em janeiro deste ano.

Beat Stoll é um dos especialistas que colabora na definição de medidas de contenção da cólera. De acordo com a OMS, há de 1,4 a 4,3 milhões de casos de cólera no mundo, e de 28 mil a 142 mil mortes devido à doença todos os anos. A cólera é uma infeção intestinal aguda causada pela ingestão de água ou alimentos contaminados. Geralmente surge em contextos que envolvem superlotação e acesso inadequado a água limpa e saneamento. A doença causa diarreia profusa e vómitos, podendo levar à morta numa questão de horas.

Às 14h30, os trabalhos prosseguem com uma mesa-redonda que reunirá todos os palestrantes num debate sobre saúde global. A moderação estará a cargo da jornalista Paula Rebelo, da RTP.

Numa altura em que se enfrentam múltiplas ameaças em termos de Saúde Global, o “Global Health Day” tem como objetivo “sensibilizar os participantes para uma realidade médica ainda inexplorada na maioria dos cursos de Medicina e desenvolver competências em temas de importância seminal para a sua formação, ao longo de um dia ocupado com palestras e workshops práticos” explica Ana Vaz, presidente da comissão de organização do YES Meeting.

O YES Meeting é um evento científico internacional, destinado a estudantes das áreas biomédicas. Este ano, o evento incluiu cinco sessões dedicadas a Cardiologia de Intervenção, Cirurgia Fetal e Pediátrica, Organoides, Oncologia e Neurociências, para além de integrar cerca de 50 workshops sobre temas tão diversos como Sexologia, Radiologia de Intervenção, Cardiologia, Obstetrícia, Medicinas Alternativas ou Cuidados Intensivos.

O congresso decorre de 15 a 18 de setembro, no Centro de Investigação Médica da FMUP.