CINTESIS alerta para aumento de complicações nos internamentos hospitalares

Em 6% dos internamentos em hospitais públicos portugueses ocorre pelo menos um evento adverso, uma situação que se associa a um aumento de 5% para 7% do risco de morte hospitalar desses doentes e custa ao Sistema Nacional de Saúde mais de 100 milhões de euros por ano. Os resultados são de um estudo científico desenvolvido pelo CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, Unidade de I&D da Universidade do Porto.

Publicado no Journal of Medical Systems, a investigação teve como objetivo avaliar a frequência e o impacto dos eventos adversos nos doentes internados em Portugal. Para isso, a equipa liderada por Alberto Freitas, especialista em análise de dados na área da Saúde do CINTESIS, avaliou os registos dos internamentos hospitalares de todos os hospitais públicos nacionais entre 2000 e 2015.

Os resultados revelaram que a frequência de eventos adversos aumentou substancialmente de 2,3% para 8%, entre 2000 e 2015. Registaram-se mais de 500 mil complicações inesperadas a procedimentos médicos, seguindo-se as reações a medicamentos (279 mil). Os erros resultantes da prestação de cuidados de saúde por parte dos profissionais de saúde são os menos frequentes (apenas 90 mil ocorrências ao longo dos 16 anos do estudo).

O professor do Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) esclarece que “a nível internacional também se regista um aumento dos eventos adversos” e aponta duas possíveis explicações para este fenómeno: “por um lado, os profissionais de saúde estão mais rigorosos no registo destas ocorrências e, por outro, assiste-se efetivamente a um crescimento dos eventos adversos, e isso pode acontecer por várias razões, como o envelhecimento da população”.

Neste trabalho, os autores perceberam que existem, de facto, fatores que se associam a um maior risco de sofrer um evento adverso. “A idade mais avançada e a coexistência de várias doenças são dois dos fatores que podem potenciar a ocorrência de um evento adverso, quer seja uma falha decorrente da ação de um profissional de saúde, uma complicação inesperada ou uma reação medicamentosa”, adianta Bernardo Sousa Pinto, investigador do CINTESIS e primeiro autor deste trabalho.

Os resultados mostraram também que os pacientes que sofreram um evento adverso ficam internados o dobro dos dias por comparação com os pacientes cujo internamento decorreu dentro da normalidade. “No total, entre 2000 e 2015, foram registados 5 milhões de dias de internamento adicionais que em parte podiam ter sido evitados”, explica o investigador Bernardo Sousa Pinto.

No âmbito deste trabalho, foi ainda possível estimar os custos financeiros associados a estas ocorrências. “Enquanto, num internamento normal os custos medianos são de 1.760 euros, nos internamentos que registam eventos adversos ultrapassam-se os 3 mil euros”, salienta Alberto Freitas, acrescentando que, entre 2000 e 2015, os eventos adversos associaram-se a aumentos na fatura do Sistema Nacional de Saúde em 1.700 milhões de euros.

Este trabalho insere-se num projeto mais alargado, desenvolvido pelo CINTESIS, que visa extrair informação relevante dos dados recolhidos diariamente pelos hospitais públicos portugueses.

Para além de Alberto Freitas e Bernardo Sousa Pinto, o estudo contou com a colaboração dos investigadores Bernardo Marques e Fernando Lopes.