Numa altura em que um em cada cinco doentes oncológicos viu o seu tratamento ser atrasado por causa da pandemia e cerca de 100 milhões de rastreios foram cancelados em toda a Europa, o Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup) vai avançar, ao longo dos próximos meses, com um ciclo de sessões sobre literacia de cancro, abertas a toda a população. A primeira sessão do ciclo “Tratar o cancro por tu” realiza-se no dia 27 de janeiro, pelas 17h30, no Teatro Rivoli (Porto), e tem como tema o cancro do pulmão.

Com esta iniciativa, o Ipatimup – agora integrado no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S) – salta os muros da ciência para ir ao encontro da população em seis municípios: Porto, Braga, Coimbra, Lisboa, Vila Real e Évora. Em cada uma das seis sessões, será abordado um cancro diferente – pulmão, mama, leucemias e linfomas, cólon, próstata e pele – pela voz de alguns dos melhores especialistas em diferentes áreas médicas e cirúrgicas.

O objetivo é sempre o mesmo: discutir as terapias mais recentes no combate ao cancro, simplificar conceitos, alertar para a necessidade do diagnóstico precoce, e colocar os doentes no centro da discussão sobre uma doença que ainda mata mais de 28 mil portugueses por ano.

Segundo Manuel Sobrinho Simões, diretor do Ipatimup, o objetivo destas sessões passa por “chegar às pessoas e contribuir para a literacia no cancro, procurando também humanizar a forma como olhamos para esta doença e compreendê-la num sentido mais amplo”. Até porque, por vezes, reconhece o também professor Emérito da Faculdade de Medicina da U.Porto (FMUP), “a ciência tem uma linguagem demasiado hermética e técnica, pelo que é preciso aproximarmo-nos das pessoas e simplificar as explicações sobre as várias abordagens da terapia”.

A iniciativa vai decorrer de janeiro a março de 2022, com uma periodicidade quinzenal. Depois do Porto, o ciclo «Tratar o cancro por tu» viaja até Braga, (Auditório do Centro de Juventude, 3 de fevereiro, 18h30. Cancro da Mama), Coimbra (Convento de São Francisco, 17 de fevereiro, 18h30. Cancro da Próstata), Lisboa (Salão Nobre da Câmara Municipal, 2 de março, 18h30. Leucemias e Linfomas), Vila Real (Auditório do Teatro Municipal, 17 de março,  18h30. Cancro do Cólon) e Évora (Auditório da Universidade de Évora, 31 de março, 18h30. Cancro da Pele).

A entrada nas sessões é livre, mas sujeita a uma pré-reserva através do e-mail [email protected]

Para lá da Ciência

O formato do evento não se restringirá, porém, apenas à medicina e à ciência. As sessões incluem, por exemplo, uma performance especial de Pedro Abrunhosa (no Porto), textos criados especialmente para o evento por Mário de Carvalho e Afonso Reis Cabral, um depoimento em vídeo da diretora da Agência Internacional de Investigação em Cancro, Elisabete Weiderpass, e testemunhos e imagens captados por Kitato (instagrammer), Filipe Morato Gomes (blog de viagens «Alma de Viajante»), Luísa Pinto (jornalista) e Rui Barbosa Batista (escritor de viagens e blogger).

«Tratar o cancro por tu» estará também ao alcance de todos. Cada sessão irá dar também origem a um podcast que estará disponível na plataforma de ‘streaming’ RTP PLAY e programas de rádio que serão emitidos na ANTENA 1., alargando, desta forma, a abrangência da iniciativa.

A mobilização mediática para estes eventos será complementada por um trabalho de divulgação feito por bloggers, jornalistas e instagrammers, que estão já no terreno a recolher testemunhos e observações focados na humanização e superação do cancro.