Universidade do Porto celebra 105.º aniversário

dia_up2015

O Salão Nobre da U.Porto deverá encher novamente para mais uma cerimónia do Dia da Universidade.

No dia 22 de março assinala-se o Dia da Universidade do Porto, evento que assinala as comemorações do 105.º aniversário da instituição. A Sessão Solene vai ter lugar às 16h00, no Salão Nobre da Universidade do Porto (Praça Gomes Teixeira), e terá como orador convidado David Justino, presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE).

A cerimónia começa com o tradicional cortejo dos professores doutorados. Pouco depois, Paul Symington, vice-presidente do Conselho Geral da U.Porto, faz as honras da casa com o discurso de abertura. Seguem-se as intervenções de João Carlos Ribeiro, representante da U.Porto na Associação Nacional dos Funcionários das Universidades Portuguesas, bem como de Daniel Freitas, presidente da Federação Académica do Porto e representante dos estudantes.

O Dia da Universidade será também o momento para a entrega de várias distinções da U.Porto como o Prémio de Excelência Pedagógica, que reconhece as melhores práticas educativas dos docentes da instituição. Este ano, o galardão vai ser entregue a José Fernando Gonçalves, professor do ICBAS. Pelo meio, terá lugar a proclamação dos novos Professores Eméritos da U.Porto,  um reconhecimento do contributo que vários professores jubilados e reformados continuam a prestar à Universidade.

Esta é também uma oportunidade para a U.Porto premiar os seus estudantes, através do Prémio Incentivo, destinado aos melhores estudantes do 1.º ano de cada faculdade, e do Prémio Cidadania Ativa, que reconhece a participação dos estudantes em atividades extracurriculares de cidadania.

Reitor_DiaUP2015

A cerimónia encerra com o tradicional discurso do Reitor da Universidade do Porto.

Como tradicionalmente, a cerimónia do Dia da Universidade encerra com o discurso do Reitor da U.Porto, Sebastião Feyo de Azevedo.

Recorde-se que a Universidade do Porto foi formalmente constituída como tal a 22 de março de 1911, por decreto do I Governo da República. As suas raízes, contudo, remontam a 1762 e a uma combinação de experiências formativas em áreas ligadas às Ciências, Artes e Medicina, que viriam a projetar-se na futura Universidade.