Miguel Cadilhe recebe Prémio Carreira FEP 2015

Prémio Carreira

Miguel Cadilhe recebeu o prémio das mãos de Odete Patrício, membro do júri do Prémio Carreira

O economista e antigo ministro das Finanças Miguel Cadilhe foi distinguido com o Prémio Carreira FEP 2015, galardão entregue anualmente  a um diplomado da Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP) que se tenha destacado pela sua carreira e que, fazendo-o, tenha contribuído para afirmar a Escola como instituição de excelência no ensino e na investigação em Economia e Gestão. O prémio foi entregue no Dia da FEP, comemorado a 31 de maio.

Antigo estudante e professor da FEP, Miguel Cadilhe (ver perfil abaixo) congratulou-se com o prémio e agradeceu a todos os que se associaram a esta homenagem. No seu discurso de agradecimento, referiu que este prémio o fez olhar para as origens, destacando o papel que os seus pais tiveram na sua vida, dando-lhe “os princípios e valores que nunca me esqueço e procuro ao longo da vida cumprir”, assim como a importância da sua professora primária, presente na cerimónia.

Miguel Cadilhe é atualmente Presidente do Conselho de Curadores da Universidade do Porto e foi também nesta ocasião felicitado pelo Reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, que destacou a sua “experiência, saber e idoneidade”.

pool

Os vencedores da Pool de Talentos FEP 2016 (da esquerda para a direita): Diogo Cruz, Nuno Machado, André Flórido da Costa, Vera Neto, André Carvalho, Filipe Palma

A entrega do Prémio Carreira foi um dos momentos altos do Dia da FEP, que ficou também marcado pelo anúncio dos vencedores Pool de Talentos FEP 2016 e pela apresentação do ciclo de conferências “A Economia e o Futuro”, em parceria com a Ordem dos Economistas, feita pelo Diretor da FEP, José Varejão, e pelo Bastonário da Ordem dos Economistas, Rui Leão Martinho.

Sobre Miguel Cadilhe

Licenciado em Economia pela FEP em 1968m 1968, com a melhor classificação desse ano, Miguel Cadilhe integrou, em 1977, a Comissão de Reestruturação da Faculdade nomeada pelo Governo. Na FEP foi também professor de Macroeconomia, Estatística, Econometria, Matemática Financeira, Investigação Operacional, entre outras disciplinas. Entre 1981 e 1982, investigou política macroeconómica na London School of Economics.

Foi diretor, administrador e presidente de várias instituições bancárias (BPA, BFE, BBI, BCP, BII, BPN) e de empresas (API, Espaço Atlântico que fundou o IESF, Praemium, BPA Vida, entre outras). Foi secretário de Estado do Planeamento em 1980 e ministro das Finanças entre o final de 1985 e o início de 1990. Como presidente da Fundação Rei Afonso Henriques (Zamora), lançou a candidatura do Alto Douro Vinhateiro a Património da Humanidade, entre 1998 e 1999.

Foram-lhe atribuídas as grãs-cruzes das ordens do Mérito de Portugal e do Cruzeiro do Sul do Brasil e a Medalha de Mérito, grau ouro, da cidade do Porto. Recebeu o prémio carreira da Ordem dos Economistas, em 2015, e tem publicado diversos livros e artigos sobre temas da realidade nacional.