IAstro Júnior leva crianças à descoberta do espaço

A partir do próximo dia 19 de novembro, os mais novos vão ter mais uma forma de descobrir o mundo da astronomia. O motivo é o Astro JúniorIAstro Júnioruma iniciativa do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e da Visão Júnior, que consiste num conjunto de sessões trimestrais, no Planetário Calouste Gulbenkian – Centro Ciência Viva e no Planetário do Porto – Centro Ciência Viva, dirigidas a crianças a partir dos 6 anos.

Nestas sessões, três investigadores do IA terão 10 minutos cada um para apresentar temas sobre o Espaço e o Universo, e desenvolver atividades para envolver as crianças, que terão assim oportunidade de interagir com os investigadores.

Planetário do Porto

Programa chega ao Planetário do Porto – Centro de Ciência Viva em fevereiro de 2017.

A sessão inaugural do programa vai ter lugar no Planetário Calouste Gulbenkian – Centro Ciência Viva, em Lisboa, e tem como tema “A Via Láctea e Outras Galáxias”. As restantes sessões vão decorrer em 2017 e estão agendadas para os dias 25 de fevereiro  (“Os Caça-Planetas”, no Planetário do Porto – Centro Ciência Viva), 1 de abril ” 18h00 (“Cosmologia, mas aos quadradinhos”, no Planetário Calouste Gulbenkian – Centro Ciência Viva) e 24 de junho (“A Vida das Estrelas”, no Planetário do Porto – Centro Ciência Viva)

Todas a sessões têm início às 18h00. A participação é gratuita mas sujeita a inscrição prévia aqui.

Além desta atividade, o IA ainda colabora com a Visão Júnior, através de artigos para os mais novos publicados na revista, escritos por investigadores do IA.

Sobre o IA

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma estrutura de investigação criada em 2014, em resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente engloba a maioria da produção científica nacional na área, tendo sido avaliado como “Excelente” na última avaliação que a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) encomendou à European Science Foundation (ESF).