FEUP inaugura Laboratório de Alta Tensão com dimensão industrial

É o maior laboratório universitário com dimensão industrial em Portugal e está instalado na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP). Chama-se Laboratório de Alta Tensão (LAT) e foi inaugurado em maio, com o apoio de diversas empresas industriais, como a ARSOPI – Indústrias Metalúrgicas Arlindo S. Pinho; CERISOL – Isoladores Cerâmicos; EFACEC Energia, Máquinas e Equipamentos Eléctricos; EURICO FERREIRA – Grupo Proef; R. F. MALTA; IEP – Instituto Electrotécnico Português; JAYME DA COSTA- Mecânica e Electricidade; METALOVIANA – Metalúrgica de Viana e SOLIDAL – Condutores Eléctricos.

O LAT está dotado com uma sala de ensaios de 144 m2 e altura útil de 11 metros com blindagem elétrica completa (gaiola de Faraday), uma sala de comando e uma sala de observação com cerca de 30 m2 cada, estando disponível para atividades de ensino e investigação e ainda para servir a indústria.

A área científica e tecnológica das altas tensões, como explica o diretor do LAT, professor António Machado e Moura, envolve o estudo dos campos elétricos intensos e dos diversos fatores físico-tecnológicos que exigem a cooperação de estudos de simulação numérica baseados em modelos matemáticos (modelização computacional) aliados a estudos baseados na experimentação laboratorial (ensaios em laboratório). Os estudos experimentais envolvem a realização de ensaios em laboratórios de alta tensão (à frequência industrial a seco ou sob chuva e à onda de choque atmosférica e/ou onda de choque de manobra), podendo recorrer-se também à realização de campanhas de ensaios de campo, efetuadas diretamente nos locais de instalação dos equipamentos.

De acordo com o professor da FEUP, a necessidade destes estudos experimentais decorre fundamentalmente da dificuldade em calcular certos parâmetros, dependendo principalmente de fatores tecnológicos de fabrico e não de parâmetros físicos fundamentais de base ou de projeto.

No início dos anos oitenta, com a uma revisão dos planos curriculares da Licenciatura em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores na FEUP, surgiu a disciplina de “Técnica das Altas Tensões” (TAT). A partir deste momento, era preciso “complementar os estudos teóricos de simulação numérica com estudos de carácter experimental para a garantia dos resultados pretendidos”, destaca António Machado e Moura.

Em 2000, com a mudança de instalações da Faculdade de Engenharia dpara o polo da Asprela, foi possível dar início à criação do Laboratório de Alta Tensão. Numa fase inicial, entre 2002 e 2005, em que ainda não se dispunha de equipamentos, o hall de ensaios foi partilhado pelo futebol robótico e pelo Laboratório de Aparelhagem. Em 2007, o LAT recebeu o primeiro equipamento de ensaio de alta tensão – um gerador de choque de 500kV, cedido pela empresa Solidal. Neste ano, foram realizadas as primeiras aulas práticas da cadeira de TAT, envolvendo ensaios dielétricos de isoladores ao choque atmosférico.

Surge em 2008 um projeto para complementar o LAT com a instalação de um equipamento de ensaio à frequência industrial, com base em unidades transformadoras de 200kV, cedido pela EFACEC, após desativação de um dos seus laboratórios. Este projecto não teve seguimento, dado que em 2009, a CERISOL manifesta à FEUP a sua intenção de deslocar as suas instalações fabris e abre a possibilidade de cedência ao LAT da FEUP do equipamento existente no seu laboratório, de que se destaca um gerador de choque de Marx de doze andares (1200kV), de fabrico Heafily, e um transformador de ensaios à frequência industrial da marca Phenix de 600kV e 0,5A. A instalação na FEUP destes novos equipamentos exigia uma adequação e otimização das instalações do LAT, quer a nível estrutural, quer a nível da instalação elétrica, operação que foi possível concluir em 2013.

“Com este laboratório, abrem-se excelentes perspetivas para a melhoria da qualidade do ensino e da investigação e para uma interação mais atuante com a indústria”, afirma  o diretor do LAT.

  • Bernardo

    Muitos Parabéns pelo projecto.

  • Pedro Barros Moura

    Seria interessante complementar esta notícia com o elenco das possibilidades do LAT, ou seja, o nível máximo das tensões de ensaio ao choque atmosférico e à frequência industrial, e neste caso a seco e sob chuva.
    Pedro Barros Moura
    Eng. Electrot. (FEUP)
    Reformado do Grupo EDP