Apoio aos refugiados que chegam a Portugal ganha forma na U.Porto

Orefugiados Edifício da Reitoria da Universidade do Porto acolheu esta segunda-feira, 9 de novembro, a cerimónia de assinatura dos protocolos entre a PAR – Plataforma de Apoio aos Refugiados, da qual a U.Porto é membro, e 25 Instituições Anfitriãs, tendo em vista o apoio ao acolhimento e integração às famílias de refugiados que já começaram a chegar a Portugal.

No âmbito do PAR Famílias, projeto especialmente centrado no acolhimento e integração de crianças refugiadas e suas famílias em Portugal, as instituições parceiras da PAF comprometem-se, por exemplo, a disponibilizar 33 alojamentos que permitirão acolher 160 pessoas.

A aprendizagem da língua Portuguesa é outro dos pontos considerados críticos para a integração das famílias de refugiados. Para o efeito, cada refugiado que chegue a Portugal vai receber um ‘kit’ para aprender português, oferecido por empresas livreiras. As medidas previstas incluem ainda a disponibilização de uma plataforma online que permitirá que os refugiados aprendam português via Internet, e a colaboração com o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) para que exista formação de português para todos, designadamente nas empresas para onde trabalhem.

“Esta é sem dúvida uma dimensão fundamental. Não há boa integração sem aprendizagem da língua, sem o pleno domínio de uma ferramenta fundamental”, destacou Rui Marques, coordenador da PAR, na sua intervenção.

Ao todo são seis as áreas de apoio e intervenção definidas nos protocolos assinados na Reitoria. Entre elas incluem-se também a recolha e distribuição de alimentação e vestuário: o apoio no acesso à Educação (através do encaminhamento das crianças em idade escolar para o agrupamento de escolas da zona de acolhimento); o apoio no acesso à Saúde; e o apoio na Integração Laboral, por via do reconhecimento e validação de competências que permita aos refugiados integrarem-se profissionalmente.

Recorde-se que Portugal vai receber mais de 4.500 refugiados nos próximos dois anos ao abrigo do programa de Relocalização de Refugiados na União Europeia. O primeiro grupo é composto por 30 pessoas e deve chegar até final do mês de novembro.