Universidade debate implicações da Ciência no quotidiano

Iniciativa visa sensibilizar a população para algumas das principais questões científicas da atualidade.

O Ciência 2.0, projeto de divulgação científica desenvolvido na Universidade do Porto, em parceria com o Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), a Sociedade de Debates da U.Porto (SdDUP), e a Faculdade de Ciências da U.Porto (FCUP), está a promover uma série de debates sobre “Ciência e Sociedade”, onde especialistas em diferentes áreas vão discutir as implicações da ciência no nosso dia-a-dia.

Temas como a produção pecuária e o bem-estar animal; os limites do melhoramento humano; o uso de psicofármacos para aumento da concentração e da atenção; o contributo do ser humano para o aquecimento global, entre outros assuntos, vão ser discutidos e analisados sob diferentes pontos de vista, cruzando o conhecimento dos especialistas e do público.

Este ciclo de debates, de entrada livre, tem lugar no auditório Prof. Ferreira da Silva, Edifício FC6 – Departamento de Ciência de Computadores da FCUP. O primeiro debate, dedicado à discussão do tema “Produção Pecuária e bem-estar animal: contrários ou complementares?”, teve lugar no passado dia 22 de novembro e centrou-se nas questões sobre o bem-estar animal no processo de produção.

A próxima sessão está agendada para a próxima quarta-feira, 28 de novembro e girará em torno da questão “Interface Homem-Máquina: quão longe é possível ir?”. Os oradores convidados são Alexandre Quintanilha (ICBAS) e Pedro Granja (IBMC.INEB), estando a moderação a cargo do jornalista Daniel Catalão.

Até final do ano estão ainda agendadas sessões sobre“Fármacos inteligentes: podemos falar de dopping académico?” (5 de dezembro) e “Aquecimento Global: qual o papel do Homem?” (12 de dezembro).

Ciência 2.0 é um projeto co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e do Programa Operacional Fatores de Competitividade (COMPETE) e por fundos nacionais através da Ciência Viva.