Aplicação criada na U.Porto “analisa” a cidade para ajudar utilizador

Aplicação grava a rotina do utilizador, disponibilizando depois dados e sugestões para a tornar mais eficiente (Foto: DR)

E se o seu smartphone pudesse analisar a sua rotina diária e torná-la mais eficiente? Uma aplicação nascida na U.Porto está perto de o concretizar. Chama-se SenseMyCity e é uma aplicação desenvolvida para smartphones, no âmbito do projeto Future Cities.

O processo é simples. O utilizador grava a sua rotina através de sensores embebidos no seu smartphone e, posteriormente, visualiza-a numa página web criada para o efeito. A recolha e análise destes dados (algoritmos) pode levar a algumas conclusões quanto ao consumo de combustível por viagem, identificação de zonas com trânsito mais lento, locais ou situações que aumentam os níveis de stress dos condutores, entre outros.

Esta mesma análise poderá ser utilizada de forma a otimizar rotas e consumos, ou seja, através da SenseMyCity é possível, por exemplo, identificar pessoas com padrões de mobilidade semelhante (potenciando a partilha de automóvel e boleias) e cartografar a inclinação das ruas da cidade de forma a sugerir rotas para bicicletas com pouca inclinação e piso liso. Esta aplicação pode ainda ser usada para análise dos dados agrupados de vários utilizadores (crowdsensing) possibilitando a realização de estudos longitudinais de stress profissional que integram questionários e sensores vitais e podem ser aplicados a bombeiros, motoristas de autocarro ou polícias.

O Future Cities Project é um projeto de capacitação liderado pelo Centro de Competências para as Cidades do Futuro da Universidade do Porto, sediado na Faculdade de Engenharia da U.Porto, que está a ser implementado num modelo de laboratório vivo, tendo a cidade do Porto como base. O modelo proposto pelo Future Cities, que pretende dotar a cidade de um largo conjunto de equipamentos de sensorização e comunicação, permitirá criar condições para que se desenvolvam projetos de investigação e desenvolvimento utilizando tecnologias avançadas de recolha de dados através de plataformas móveis, comunicação wireless e processamento de informação em larga escala. É objetivo do Future Cities contribuir para o desenvolvimento em áreas como a mobilidade, segurança e qualidade de vida dos cidadãos. A dimensão média da cidade e a multimodalidade de transportes são algumas das características que tornam o Porto uma cidade ideal para acolher este modelo de desenvolvimento.

O objetivo deste projeto, financiado pela Comissão Europeia em 1,6 milhões de euros, é contribuir para fomentar a capacidade de investigação e desenvolvimento na U.Porto em áreas tecnológicas de ponta, aumentando o potencial humano já existente e a colaboração internacional.

  • Maria Irene Barros

    Acredito no bom resultado desta investigação. As seguintes gerações serão mais felizes, inseridas nas futuras cidades, com mais qualidade de vida.