António Fernando da Silva: “Tive tudo o que um professor pode querer”

O Auditório Ferreira da Silva, na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), foi pequeno para receber todos os que, no passado dia 4 de fevereiro, quiseram presenciar a Última Lição de António Fernando da Silva, ponto culminante de um percurso de 46 anos de docência e de oito anos como Diretor da FCUP.

“A interface que faz avançar a universidade e consequentemente a sociedade é o Professor”, lembrou o agora docente jubilado da FCUP. (Fotos: Anurag Singh)

Perante uma plateia onde não faltaram os membros da equipa reitoral, diretores de faculdades e centros de investigação, presidentes de outras instituições de ensino, mas também os colegas, família, amigos e várias gerações de estudantes de António Fernando Silva, o agora professor catedrático jubilado da FCUP dedicou a sua última aula ao tema das “Interfaces”. Um assunto pelo qual se interessou toda a vida profissional, mas que viveu ao máximo no papel de docente. “A interface que faz avançar a universidade e consequentemente a sociedade é o Professor”, resumiu.

Enumerando aquelas que são as “três missões” do docente, António Fernando Silva lembrou que “em primeiro lugar, tem de despertar, nos seus alunos, a curiosidade pelo conhecimento e a inteligência; em segundo lugar, tem de lhes desenvolver o espírito crítico; e, por último, tem de lhes transmitir um sentido ético para a vida. Não há nenhuma interface a não ser o Professor que seja capaz de fazer isto”.

Terminada a sessão, António Fernando Silva não escondia a “emoção enorme” e o “grande prazer de ter vivido uma vida de grande dignidade e sentido de missão”. “Sempre sonhei ser professor e hoje foi o culminar de uma vida que dediquei à minha universidade, à minha faculdade e, sobretudo, aos meus estudantes, que me deram tudo o que um professor pode querer. Motivaram-me criticaram-me, exigiram de mim, mas acima de tudo tornaram-se meus amigos. E isso é a melhor coisa o que um professor pode ter”, confessou.

Apesar de deixar a docência, António Fernando Silva manter-se-ligado à FCUP. ” Vou continuar membro do conselho científico e a trabalhar em investigação no meu grupo”. Afinal, rematou: “Eu não sei fazer outra coisa”.

A cerimónia de jubilação contou também com as intervenções do subdiretor da FCUP, José Luís Santos, da presidente do DQB, Ana Cristina Freire, e do Reitor da U.Porto, António de Sousa Pereira, para além de testemunhos de personalidades nacionais e internacionais com as quais António Fernando Silva colaborou ao longo da sua carreira. A homenagem prosseguiu depois com um jantar na Casa da Música.

Sobre António Fernando Sousa da Silva

Licenciado em Engenharia Química pela Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP), António Fernando Sousa da Silva iniciou a sua carreira de docente na FCUP em 1972. Doutorado em Química na Universidade de Southampton, em Inglaterra (1980), fez as provas de agregação em Química em 1990 e, dois anos depois, tornou-se, aos 41 anos, Professor Catedrático do DQB da FCUP.

De 1988 a 1996 e de 2004 a 2010, foi presidente do Conselho Pedagógico da FCUP, posição que acumulou com a de presidente do Departamento de Química e Bioquímica entre 2002 e 2005.  Em 2010, é membro eleito do Conselho Científico e em maio tomou posse como diretor da FCUP. Em 2016, durante o segundo mandato, a Faculdade de Ciências da U.Porto foi homenageada com a distinção de Membro-Honorário da Ordem da Instrução Pública, atribuída pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo Sousa, na sua visita à FCUP no Dia da Faculdade.

Com mais de uma centena de artigos publicados, António Fernando Silva tem como principais áreas de especialidade a eletroquímica, a eletroanálise e a química das superfícies, é membro de várias sociedades científicas como a American Chemical Society e a Royal Society of Chemistry e membro fundador da Sociedade Portuguesa de Eletroquímica. É também coordenador do Centro de Investigação em Química da U.Porto.