Alumnus da FCUP revela novas pistas sobre as nossas origens genéticas

Estudo revelou que os nossos antepassados acasalaram com pelo menos cinco grupos de humanos arcaicos.

Um estudo assinado por João Teixeira, antigo estudante da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) e atual investigador no Centro Australiano de ADN Antigo da Universidade de Adelaide (Austrália), revelou que os nossos antepassados acasalaram com pelo menos cinco grupos de humanos arcaicos quando se mudaram da África e passaram pela Eurásia. O artigo foi recentemente publicado na prestigiada revista Proceedings of the National Academy of Sciences

Mestre em Genética Forense pela FCUP, João Teixeira mapeou, em conjunto com o investigador Alan Cooper, a localização de cruzamentos, contrastando os níveis de ascendência arcaica nos genomas das populações atuais em todo o mundo.

Embora dois destes cinco grupos arcaicos sejam conhecidos atualmente – os neandertais e os denisovanos da Ásia –, os outros permanecem sem nome e só foram detetados com vestígios de ADN sobreviventes em diferentes populações modernas. As ilhas do Sudeste Asiático parece ter sido um foco particular de diversidade.

João Teixeira é mestre em Genética Forense e licenciado em Biologia pela FCUP.

Em comunicado publicado na página da Universidade de Adelaide, o investigador explicou que “cada um de nós tem os traços genéticos desses cruzamentos do passado.” “Esses grupos arcaicos eram difusos e geneticamente diversos e sobrevivem em cada um de nós. A sua história é parte integrante do que nos tornamos”, explicou.

“As ilhas do Sudeste Asiático já eram um lugar bastante povoado quando o que chamamos de humanos modernos atingiu a região pouco antes de há 50 mil anos”, acrescentou o alumnus da FCUP. “Pelo menos três outros grupos humanos arcaicos parecem ter ocupado a área e os ancestrais dos humanos modernos misturaram-se com eles antes de os humanos arcaicos se tornarem extintos”.

Este facto levou os investigadores a acreditarem que este momento da chegada dos humanos modernos foi seguida rapidamente pelo desaparecimento dos grupos humanos arcaicos em cada área.