Miguel Pinto

Com apenas 27 anos, Miguel Pinto tem o sonho de usar a robótica para melhorar a vida das pessoas. Foi isso mesmo que este investigador do INESC TEC procurou demonstrar na tese de doutoramento em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores que desenvolveu na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), recentemente eleita pela Sociedade Portuguesa de Robótica (SPR) como a melhor do país naquela área.

Em “SLAM for 3D Map Building to be used in a Matching Localization Algorithm”, Miguel Pinto reflete o sonho de prosseguir o caminho na investigação e usar a robótica para melhorar a vida das pessoas. Para isso, procurou dar resposta a um problema fundamental: dotar um robô vigilante – o RobVigil – de um módulo de localização que usa odometria e a observação do meio ambiente que o rodeia, através de um laser (medidor de distâncias), por forma a torná-lo autónomo.

Miguel Pinto doutorou-se a 18 de janeiro de 2013 pela FEUP, culminando um percurso onde se destaca ainda o Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores no Ramo de Automação e especialidade em Robótica, concluído em 2009, na mesma faculdade.

Naturalidade?

Venezuela, mas com nacionalidade portuguesa.

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

De ser situada na cidade do Porto e da Faculdade de Engenharia.

– De que menos gosta na Universidade do Porto?

Não existe nada de que não goste.

– Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Criar um campus único da Universidade do Porto, à imagem de outras Universidades europeias.

– Como prefere passar os tempos livres?

Ver um filme, ir à praia, jogar futebol.

– Um livro preferido?

Tenho dois: 1984, de George Orwell, e As Intermitências da Morte, de José Saramago.

– Um músico/disco preferido?

Incubus/”Make Yourself”.

– Um prato preferido?

Francesinha.

– Um filme preferido?

“Vanilla Sky” (2001), de Cameron Crowe.

– Uma viagem de sonho (realizada ou por realizar)?

Barcelona (realizada).

– Um objetivo de vida?

Sentir-me realizado pessoalmente e profissionalmente.

– Uma inspiração?

Todas as pessoas de quem gosto e que gostam de mim.

– Uma descoberta que gostasse de fazer?

Gostava de fazer uma descoberta importante na Engenharia / Robótica que melhorasse, de alguma forma, a vida das pessoas.