José Costa Lima

Nome incontornável no estudo da Química em Portugal, José Costa Lima inspira-se com todos os seus estudantes de todos os ciclos de estudos e afirma que são eles que o mantêm “em serviço”. Desde 1986 que mantém esta ligação aos estudantes da Universidade do Porto, quando, a convite do Prof. Roque da Silva, ingressa como Professor Auxiliar na Faculdade de Farmácia da U.Porto (FFUP), com o objetivo de criar um grupo dedicado à Química Analítica e Aplicada, com investigação compatível com os objetivos do ensino da Química em Ciências Farmacêuticas. Este desafio originou a criação de uma verdadeira escola de Química Analítica, consubstanciada na formação de mais de 40 doutores, a quem gosta de apelidar de “filhos científicos”, que por sua vez formaram outros doutores (“netos”), e estes formaram outros (“bisnetos”), continuando o seu legado de investigação na FFUP e em outras instituições.

Foi-lhe recentemente atribuído pela Sociedade Portuguesa de Química o Prémio Ferreira da Silva, distinção bianual atribuída a um químico português que, pela obra científica produzida em Portugal, tenha contribuído significativamente para o avanço da Química. Este prémio vem reconhecer a obra de investigação científica nas áreas da Química Analítica, Química Ambiental, Química Alimentar, Bioquímica e Eletroquímica, obra consubstanciada na autoria/co-autoria de mais de 420 artigos em revistas científicas internacionais.

A sua projeção internacional levou ao estabelecimento de colaborações com inúmeras instituições de diversos países, sendo de destacar o Brasil que, por essa razão, lhe atribuiu, em 2005, a distinção de ser membro estrangeiro da Academia Brasileira de Ciências. Foi ainda agraciado com prémios da Japanese Association for Flow Injection Analysis e da Associação Nacional de Químicos de Espanha.

De que mais gosta na Universidade do Porto?

Dos seus estudantes, aliás única razão para me manter “ao serviço”.

De que menos gosta na Universidade do Porto?

A sua dispersão geográfica que dificulta maior interacção entre as Faculdades.

Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Aumentar o respeito pela diversidade e identidade dos saberes sem ruturas na unidade da Universidade

Como prefere passar os tempos livres?

Com a família, principalmente com os netos.

Um livro preferido?

O Auto do Fidalgo Aprendiz, D. Francisco Manuel de Melo, 1665

Um disco/músico preferido?

Sounds of Silence, Simon & Garfunkel, 1964

Um prato preferido?

Cabrito com arroz de forno “à maneira” de Penafiel, cozido à portuguesa, toucinho do céu (receita da minha avó).

Um filme preferido?

Voando sobre um Ninho de Cucos, Milos Forman, 1975

Uma viagem de sonho (realizada ou por realizar)?

Percorrer Angola, essa imensa terra inesquecível.

Um objetivo de vida?

Ter a minha família (alargada) feliz.

Uma inspiração?

Mais uma vez: os meus estudantes de qualquer dos ciclos de estudos.

Sonho por cumprir?

Voltar a ver o CDUP como clube desportivo da Universidade do Porto, eclético e agregador.