Andreas Wack é um investigador muito experiente. Trocou a sua Alemanha natal por Londres aquando do seu doutoramento, mas, antes de lá se estabelecer definitivamente, ainda experimentou a indústria farmacêutica; após este período dedicado a testar uma possível via profissional, regressou a Inglaterra. Apesar deste desvio ao temporário rumo, a sua carreira encaminhou-se sempre na mesma direção: o vírus da gripe e a sua interação com o sistema imunitário. Nesta entrevista, Andreas Wack clarifica o processo de seleção da vacina da gripe disponibilizada a cada inverno; o papel de um cientista num instituto de investigação e, por comparação, a sua importância numa farmacêutica; e por que motivo os melhores alunos nem sempre são a sua primeira opção ao selecionar novos membros para a sua equipa.