U.PORTO GENERATIONS – Família Pinto Guimarães

Em cima: Rodrigo Pinto Guimarães, Mariana Hehn Pinto Guimarães, João Tiago Pinto Guimarães, Maria Joana Pinto Guimarães, António Maria Pinto Guimarães, João Maria Pinto Guimarães.
Em baixo: Maria de Fátima Pinto Guimarães, Serafim Pinto Guimarães (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

Não é exagero dizê-lo. A família Pinto Guimarães nasceu e cresceu nos corredores da Universidade do Porto.

Para encontramos as raízes desta história é preciso recuar até 1953, ano em que Serafim ingressa na Faculdade de Medicina (FMUP). Conciliava então os estudos com o Grupo de Fados e Guitarradas do Orfeão Universitário do Porto (OUP), cujos ensaios aconteciam no atual edifício da Reitoria, nos Leões, “com porta direta para a segunda casa: o Café Piolho”. Defende a tese de licenciatura em 1960, ano em que se torna segundo assistente da disciplina de Farmacologia, na mesma faculdade. A guerra leva-o, entre 1963 e 1966, a cumprir serviço militar em Portugal e em Angola. Volta à terra natal e defende, em 1968, a tese de doutoramento, também na FMUP. Daqui em diante, prossegue a carreira como docente na área da medicina e farmacologia. Em 1973, torna-se professor extraordinário de Farmacologia e, em 1979, passa a Professor Catedrático. Entre 1983 e 1984, foi Presidente do Conselho Diretivo da FMUP e, entre 1984 e 1985, vice-reitor da U.Porto.

Todo este percurso foi acompanhado pela esposa Maria de Fátima, com quem Serafim se cruza nos tempos da Universidade, bem como pela restante família, que ambos construíram ao longo dos anos. Maria de Fátima ingressou no curso de Ciências Biológicas, na Faculdade de Ciências (FCUP), em 1960. Licencia-se em 1967, depois de uma interrupção de dois anos que a levou a acompanhar o marido até Angola.

João Tiago foi o primeiro filho do casal a entrar na U.Porto. Ao lado do pai, conheceu os corredores daquela que se iria tornar na sua faculdade. Entra em 1983 na FMUP, onde se licencia em 1989. Nos anos seguintes torna-se monitor e assistente convidado na mesma faculdade. Desde então, a ligação nunca se perdeu. Depois de ter defendido a tese de doutoramento, em 2002, torna-se professor auxiliar convidado e, anos mais tarde, professor associado. É na Faculdade de Medicina que João Tiago conhece Mariana, igualmente formada pela FMUP em  1989. Foram namorados e colegas, até que formaram família.

Já a irmã, Maria Joana, contraria a ligação dos progenitores à medicina e à ciência e entra na Faculdade de Letras (FLUP) em 1989. Licencia-se em Línguas e Literaturas Modernas na variante de estudos ingleses e alemães, ramo de tradução de alemão, em 1994. Anos mais tarde, volta à FLUP, desta vez como leitora e, em 2004, defende a tese de mestrado, tornando-se professora assistente naquela que foi, desde sempre, a sua faculdade. Desde 2013, ano em que completa o doutoramento, Maria Joana é professora auxiliar do departamento de estudos germânicos.

Na terceira geração encontramos os filhos de João Tiago e Mariana, todos ligados à U.Porto, mas nenhum à medicina. João Maria licenciou-se em Economia pela Faculdade de Economia (FEP), em 2014. Atualmente, está a terminar o mestrado na mesma área e faculdade. É na FEP que se cruza com António Maria, que frequenta, neste momento, a licenciatura em Gestão. Rodrigo foi o último a entrar na U.Porto. É estudante do segundo ano da licenciatura de Direito na Faculdade de Direito (FDUP).

Conheça outras famílias e histórias U.PORTO GENERATIONS aqui.