Uma década de investigação antropológica no Níger em revista na FLUP

Conferência desvenda práticas culturais das comunidades locais do W do Níger.

No próximo dia 30 de janeiro, a Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP) recebe o antropólogo João Pedro Galhano Alves para falar da sua experiência de uma década de investigação antropológica e etnobiológica no Níger.

A conferência “Antropologia e ecossistemas no Níger. Humanos, leões e espíritos da floresta na cultura gourmantché” fala sobre o desenvolvimento de uma metodologia anteriormente aplicada na Índia e em Portugal, detalhando as relações estudadas entre humanos, leões e a cultura local. Antes deste extenso trabalho de investigação, poucos estudos haviam sido feitos sobre os Gourmantché, etnia dominante no W do Níger (Parque Nacional W do Níger).  

Foram estudados no terreno todos os fatores relevantes que condicionam as relações entre humanos e as outras espécies. É dada uma particular atenção à coexistência com grandes carnívoros, neste caso o leão, dado que estes são essenciais para o equilíbrio ecológico, a sua presença indica um largo leque de biodiversidade, são os animais com os quais a coexistência se pode afigurar mais problemática, tendo normalmente um forte significado cultural que pode indicar a relação que uma sociedade tem com a natureza.

A conferência do investigador português desvenda ainda as práticas mais comuns nas comunidades locais, tais como a recoleção, a caça com arco e flecha e  também as suas representações culturais, como a crença na existência de seres espirituais vinculados à natureza, os quais gerem todos os seres e a realidade.

A conferência tem início pelas 17 horas e decorre na Sala de Reuniões da FLUP.