U.Porto mantém valor das propinas pelo sexto ano consecutivo

Estudante FMUP

A propina das licenciaturas e mestrados integrados da U.Porto vai manter-se nos 999 euros anuais.

O Conselho Geral da Universidade do Porto decidiu não alterar o valor das propinas para o ano letivo 2017/2018. Pelo sexto ano consecutivo, a propina das licenciaturas e mestrados integrados (1.º Ciclo) da Universidade do Porto mantém-se assim nos 999 euros anuais.

O Conselho Geral decidiu ainda manter os valores de referência para as propinas do 2.º e do 3.º ciclos (mestrados e doutoramentos) nos 1250 e 2750 euros anuais, respetivamente. Nestes casos, poderá verificar-se um aumento da propina sob proposta devidamente fundamentada por parte das faculdades.

Com esta decisão, tomada mais cedo do que é habitual, a Universidade do Porto continuará a ser uma das universidades portuguesas com mais baixo custo de propinas. Os valores indicados não contemplam os estudantes com Estatuto de Estudante Internacional (EEI).

A iniciativa da U.Porto vai ao encontro da vontade dos estudantes, que, pela voz das diferentes associações estudantis, já tinham solicitado ao Governo, em setembro passado, o congelamento o valor das propinas em todas as instituições de Ensino Superior. De resto, a Federação Académica do Porto (FAP) já congratulou a decisão da U.Porto, enaltecendo “o envolvimento dos diversos intervenientes: do seu Reitor, do Conselho Geral, dos estudantes deste Conselho e das associações de estudantes que, ano após ano, se têm pronunciado sobre o processo”.

Recorde-se que o Conselho Geral é o órgão de governo da Universidade a que cabe definir o desenvolvimento estratégico, bem como a orientação e a supervisão da instituição. Entre as suas competências estão, por exemplo, a eleição do Reitor da U.Porto, bem como a aprovação – sob proposta do Reitor – das linhas gerais de orientação da instituição no plano científico, pedagógico, financeiro e patrimonial.

O Conselho Geral da Universidade do Porto é constituído por 23 membros assim distribuídos: 12 representantes dos docentes e investigadores, quatro dos estudantes e um do pessoal não docente da Universidade, a que se juntam seis personalidades externas à Universidade – Alfredo José de Sousa e Paul Symington (presidente e vice-presidente, respetivamente), Frei Bento Domingues, José Pacheco Pereira, Cristina Grande e Maria João Vasconcelos.