U.Porto discute soluções para a Agricultura no Norte de Portugal

O Wageningen UR Greenhouse Horticulture (Holanda) será um dos projetos apresentados como exemplo de sucesso ao nível da valorização económica da agricultura.

Numa altura em que a valorização económica da agricultura volta a estar na ordem do dia, a Universidade do Porto, em parceria com universidades e politécnicos do Norte de Portugal, prepara-se para lançar o debate à escala da região. “Por um novo paradigma para o desenvolvimento da Agricultura no Norte de Portugal” será o mote do do ciclo de debates públicos que reunirão investigadores, empresários agrícolas e responsáveis políticos do setor ao longo de todo o ano de 2013.

A primeira conferência terá lugar no próximo dia 26 de fevereiro, na Reitoria da U.Porto, e dela espera-se que surjam ideias e soluções para o desenvolvimento de um dos setores com maior potencial de crescimento económico em Portugal. Organizada pelo UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da U.Porto e pelo Instituto para o Desenvolvimento Agrário da Região Norte (IDARN), a sessão pretende desse modo assumir-se como espaço de encontro entre académicos, empresários,  produtores e agentes com responsabilidades políticas na região e no país.

Entre os temas que vão a debate na conferência destaca-se a passagem do paradigma de uma agricultura extensiva para uma agricultura em estufa. Os estudos prévia realizados pelos especialistas universitários apontam para que a dinamização deste setor e a incorporação de um maior nível tecnológico irá potenciar a rentabilidade económica (através do aumento da produtividade, qualidade e o fornecimento contínuo dos produtos ao longo do ano) e aumentar a atratividade para a instalação de jovens agricultores.

Organizando os seus recursos humanos e infraestruturas científicas, os seus planos de formação e as suas prioridades de investigação, as universidades e politécnicos da região poderão ser decisivas na formação e reconversão dos agricultores, na incorporação de novas tecnologias adaptadas às condições do solo e do clima da região e no desenvolvimento de novos modelos de negócio.

Para este diálogo, serão então chamados um leque alargado de convidados que darão a conhecer as forças e fraquezas da agricultura na região Norte e apresentarão o ponto de situação da hortofloricultura protegida nesta região. Será ainda feito o contraponto com a situação Holandesa, uma referência internacional em termos de benchmarking do setor, cujos representantes darão a conhecer as melhores práticas e exemplos internacionais que vêm sendo implementados ao nível da modernização e valorização económica da agricultura protegida através do apoio da investigação científica produzida nas universidades.

A primeira parte da conferência (ver programa) será dedicada ao diagnóstico do estado atual da agricultura no Norte de Portugal e à reflexão sobre o papel daquele setor no desenvolvimento da região. Entre os protagonistas vão estar Jorge Gonçalves, vice-reitor da U.Porto com o pelouro da I&D e InovaçãoHenrique Trindade (UTAD/IDARN) representantes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAP-N), e oradores ligados a associações de produtores da região.

Após uma pausa a meio da manhã, a conferência prossegue com a apresentação de dois projetos provenientes da Holanda, que constituem exemplos de sucesso na aplicação da investigação científica à agricultura: o Wageningen UR Greenhouse Horticulture (na foto), dinamizado pela Wageningen University, e o GreenQ. Segue-se um debate geral, moderado por  Susana Carvalho (UPTEC/Universidade Católica) e a intervenção de encerramento, pelas 12h30, a cargo de Nuno Vieira e Brito, Secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar.

Para a U.Porto, este evento ganha uma importância redobrada numa fase em que se perspetiva  a criação de um novo polo do UPTEC dedicado à criação de empresas agropecuárias, voltadas para o desenvolvimento do setor através do conhecimento científico e tecnológico produzido nos centros de investigação da região.  A infraestrutura deverá ficar sediada no polo da U.Porto em Vairão (onde funcionam atualmente o Centro de Reprodução Animal e  Centro Clínico de Equinos do ICBAS, bem como o Laboratório Nacional de Veterinária), gerando deste modo um polo único em Portugal voltado para o ensino, investigação e inovação no campo das ciências agrárias.

A conferência é aberta a toda a comunidade. A participação é gratuita, ainda que sujeita a uma inscrição prévia.

Depois desta primeira sessão na U.Porto, o ciclo vai expandir-se para outras instituições de ensino superior da região, num movimento que visa constituir uma estrutura de apoio à formação e aplicação tecnologia de apoio a novos investimentos que permitam transformar a agricultura tradicional no Norte de Portugal. O objetivo passa por aplicar o conhecimento e tecnologias concentradas nestas instituições para fomentar e apoiar a agricultura em estufa como uma área de aposta estratégica da “nova” agricultura portuguesa, contribuindo assim para a sua competitividade no contexto internacional.