Idealizada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e implementada pela Present Technologies, startup incubada na UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, a SEF Mobile surgiu para dar resposta ao controlo fronteiriço terrestre, imposto devido à pandemia da COVID-19. Em apenas um mês, a app já realizou de mais de 75 mil controlos de fronteira, de forma eficiente e sem recorrer a qualquer contacto físico.

Inicialmente focada no controlo das fronteiras aéreas e marítimas, a aplicação foi ajustada para ir ao encontro da legislação europeia. Com esta solução, é possível validar os dados dos documentos de identificação, sem que os inspetores os precisem de manusear.

Erica Santos, Inspetora do SEF e responsável pela operacionalização da solução no terreno, refere que “o SEF Mobile se tornou numa ferramenta essencial para aumentar substancialmente a eficiência e segurança dos inspetores do SEF nos vários postos de fronteira terrestres do país”.

A mesma responsável vinca igualmente as vantagens da aplicação: “de uma forma simples e eficaz, permite ler e validar os dados de um conjunto variado de documentos de identificação, sem qualquer necessidade de manuseamento dos mesmos por parte dos inspetores”.

Solução permite validar os dados dos documentos de identificação, sem que os inspetores os precisem de manusear. (Foto: DR)

Sobre a Present Technologies

Sediada no Instituto Pedro Nunes, em Coimbra, e com delegações na UPTEC (Porto) e na Sertã, a Present Technologies presta serviços nas áreas Enterprise, Web e Mobile, à escala global.

Ao longo dos seus 20 anos de experiência no mercado, a empresa tem sido reconhecida pela qualidade das suas soluções, tanto a nível nacional como internacional, de onde provém atualmente a maioria do seu negócio.

Empenhada na criação de produtos e serviços inovadores através do uso de tecnologias emergentes, a Present Technologies conta com um background alargado em Investigação e Desenvolvimento, quer por ligação a grupos de investigação de Instituições de Ensino Superior, quer pela participação em projetos de I&D juntamente com os seus parceiros empresariais.