As objetivas de Luís Barbosa e Peter Schultess conseguiram o que poucos conseguem… Ver para lá das grades. Retrataram sete estabelecimentos prisionais diferentes: Leiria, Guarda, Viseu, Lisboa, Carregueira, Santa Cruz do Bispo e Izeda. O resultado foi mostrado ao público numa exposição da Cadeia da Relação, no Porto, que alberga atualmente o Centro Português de Fotografia. Qual será o sentido de uma exposição sobre uma prisão, onde os visitantes vêm dar pasto à sua curiosidade em horas de seu ócio? Depois da exposição, surge agora o livro publicado pela U.Porto Press. A edição de Monitoring of Prisons and Regimes of Monitoring serve também de mote para a conversa marcada para esta quinta-feira, 31 de março, às 18h00, na Casa Comum da Universidade do Porto (Reitoria)

Trazem-nos um universo que, habitualmente, nos escapa. Evidenciam, ainda, a diferença que separa uma prisão antiga, como a Penitenciaria de Lisboa, e uma Prisão com condições de habitabilidade e reinserção das presas como a de Sta. Cruz do Bispo que foi construída já sob o regime democrático. Contrariando uma tendência atual, de visitas recreativas de tipo turístico às prisões, este projeto, concebido por Daniel Fink e Cândido da Agra, articula a arte fotográfica de prisões antigas e atuais com o conhecimento crítico: filosofia, ciência penitenciária e punitividade neste espaço controverso e contraditório.

O lançamento do livro Monitoring of Prisons and Regimes of Monitoring, será então acompanhado de uma mesa-redonda que contará com a presença de Cândido da Agra, Professor Catedrático Emérito da Universidade do Porto e responsável português do projeto, e de Daniel Fink, presidente do Gefo.ch e editor da obra.

Aos dois autores juntar-se-ão ainda Paulo Carvalho, Sub-Diretor-Geral da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, Jorge Mealha, professor da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa e responsável pelo Estudo de Conceção das novas prisões em Portugal, e Fátima Vieira, Vice-Reitora da Universidade do Porto, que desempenhará o papel de moderadora da sessão.

A mesa-redonda terá como tema central: “’Oh, seminal encontro, nas moradas do trágico!’ Quando a estética do percepto e o conhecimento crítico visitam a prisão”.

A obra Monitoring of Prisons and Regimes of Monitoring, agora publicada pela U.Porto Press, surge enquadrada em The Portuguese Prison Photo Project, que procura proporcionar uma visão e reflexão em torno dos estabelecimentos prisionais portugueses da atualidade.

A entrada é livre e gratuita, mas sujeita a confirmação para [email protected]