Prémio de Inovação Mundial em Engenharia de Pontes foi para a Austrália

Um sistema inovador para a construção mais sustentável e rápida de pontes valeu a um grupo de investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, a conquista da primeira edição do Prémio de Inovação Mundial em Engenharia de Pontes, promovido pela BERD e pela Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP).

A cerimónia realizou-se no Paço dos Duques, na cidade de Guimarães, e contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Designado por “hybrid double skin tubular arch bridge (DSTA)”, o projeto vencedor propõe um novo sistema de pontes baseado num tubo exterior de polímero reforçado com fibra (FRP) num tubo interior de aço e um preenchimento com uma camada de betão entre eles. Mais leve, durável, de baixo custo e com baixa energia incorporada, este sistema constitui uma alternativa muito atrativa ao tradicional método de projetar pontes.

Foram ainda atribuídos dois Prémios de Mérito: o primeiro diz respeito a uma nova abordagem do que poderia ser a experiência visual de um pedestre enquanto caminha numa ponte pedonal. Foi apresentada por um grupo de investigadores da Universidade de Pisa, em Itália, e consiste numa ponte pedonal quase transparente, com um vão livre relevante. É uma solução de vidro estrutural que permite atender, simultaneamente, a requisitos de níveis de segurança adequados e de eficácia de custos. O projeto é inspirado na ideia de uma conexão evanescente que ao atravessar desperta uma sensação de leveza e combina um efeito visual de transparência e reflexos de luz solar.

A outra menção honrosa distinguiu uma proposta portuguesa, do Instituto Superior Técnico (IST) e demonstra que, para alcançar qualidade e melhoria efetiva, não é necessária dimensão. A proposta consiste numa ponte pedonal compósita muito leve, permitindo uma instalação muito rápida, com alta durabilidade e transparência eletromagnética; inicialmente projetada para passagens superiores pedestres de linhas férreas, como alternativa aos clássicos cruzamentos ferroviários, pode ser aplicada a qualquer tipo de necessidade em termos de vias pedestres.

Candidataram-se ao Prémio mais de 20 mil utilizadores de 146 nacionalidades, tendo sido avaliadas candidaturas que envolveram mais de 200 autores de cerca de 50 países. “Este Prémio mundial em inovação em engenharia de Pontes instituído pela BERD e pela FEUP – Prémio WIBE – é já uma referência de máximo prestígio internacional. Focado na inovação útil para a sociedade tem a adesão e participação activa das mais importantes associações internacionais da especialidade. Com milhares de seguidores em mais de 150 países é um desafio de criatividade que já está no imaginário de Engenheiros de Pontes de todos os pontos do globo como a maior referência de prestígio e reconhecimento nesta área, a nível mundial”, garante Pedro Pacheco, CEO da BERD.

Lançado em 2015, o Prémio de Inovação Mundial em Engenharia de Pontes visa partilhar a nível internacional o sucesso do modelo de investigação e desenvolvimento que a BERD e a FEUP têm vindo a aplicar nos últimos anos e manter ambas as instituições em contacto com a vanguarda da engenharia internacional de pontes, ao mesmo tempo que contribuem para a sua evolução.