Sarah McClelland é uma especialista em oncologia molecular, cujo trabalho se centra nos mecanismos por detrás da instabilidade cromossómica, um enorme obstáculo à precisão no prognóstico de cancro dos ovários e consequente eficácia do tratamento. Na sua busca por respostas, Sarah e a sua equipa descobriram algo surpreendente: os erros na divisão celular não são aleatórios, desmistificando assim um dogma antigo.