O que não é tão claro é o amplo leque de doenças que estuda, como a dengue, a gripe ou o VIH. O seu maior contributo passa por identificar e caracterizar as células potencialmente transmissoras de infeções. Dica: são a chave para gerar vida humana.