António Adão da Fonseca

É impossível falar no tema ‘pontes’ e não pensar imediatamente em António Adão da Fonseca. Professor aposentado da Faculdade de Engenharia (FEUP), conta com um percurso académico desde sempre ligado à FEUP. Recentemente, viu o seu trabalho como engenheiro civil ser reconhecido com o “Excellence Award for Civil Engineering”, um dos mais prestigiados prémios mundiais na área da engenharia civil.

Licenciado em Engenharia Civil na FEUP (1971), Adão da Fonseca fez o doutoramento em Engenharia de Estruturas no Imperial College of Science and Technology, na Universidade de Londres, em 1980, e chegou ao topo da carreira como professor catedrático, tendo sido responsável pela Secção de Estruturas do Departamento de Engenharia Civil (DEC).

Com uma empresa própria na área de Engenharia Civil – ‘AFA – Adão da Fonseca e Associados – Consultores de Engenharia, SA – Portugal’, António Adão da Fonseca é responsável por importantíssimos projetos de engenharia civil no distrito do Porto. Os mais emblemáticos incluem as cinco pontes que já projetou para o rio Douro, entre o Porto e Gaia, e constituem o seu legado mais significativo: a Ponte Infante Dom Henrique, que elege como o grande projeto da sua vida, a ponte pedonal em arco junto à Ponte Luiz I, a concepção da ponte pedonal suspensa entre as Praças da Ribeira e Sandeman, e os projetos da Ponte do Gólgota para rodovia e metro ligeiro e a Ponte de Sto. António para o comboio de alta velocidade.

Leonardo Da Vinci é a sua grande inspiração, assim como a busca incessante do porquê. Dúvidas que não existem na hora de apreciar uma bela alheira de Mirandela, ou de escolher Portugal como destino de sonho.

Naturalidade? Lisboa, onde estava a minha avó, mas com 15 dias estava de volta ao Porto. Portanto, é mais interessante não falar na Naturalidade e falar na Residência

Idade? 71 anos

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

Uma Universidade numa cidade já grande mas que conserva “espírito de pertença”

– De que menos gosta na Universidade do Porto?

Faltam campos de jogos de acesso a universitários (os da Faculdade de Desporto são de acesso muito condicionado) e competições desportivas interfaculdades.

– Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Os cursos de mestrado (no 2.º Ciclo) deviam funcionar obrigatoriamente sem disciplinas atrasadas e por módulos (2 ou 3 semanas dedicadas exclusivamente a uma disciplina), à maneira dos MBAs, o que possibilitaria a presença de Professores do mais alto nível internacional e de Profissionais de alto valor nesses períodos curtos.

– Como prefere passar os tempos livres?

Ando sempre à procura desses tempos! Mas aparecendo, viajo por Portugal e Europa.

– Um livro preferido?

Fernão Capelo Gaivota, de Richard Bach (o prazer da busca incessante da perfeição).

– Um disco/músico preferido?

Franz Schubert.

– Um prato preferido?

Alheira de Mirandela.

– Um filme preferido? 

“Um Homem para a Eternidade”.

– Uma viagem de sonho? 

Alto-Douro no início de novembro e a Ilha de São Jorge, nos Açores.

– Um objetivo de vida?

Ser idealista de pés na Terra.

– Uma inspiração? (pessoa, livro, situação…)

Leonardo da Vinci e a busca incessante do porquê!

– O projeto da sua vida…

Ponte do Infante, pela imensa dificuldade do projeto realizado com engenheiros de Portugal e Espanha da mais alta qualidade científica, técnica e humana.

– Se pudesse projetar uma ponte em qualquer lugar do mundo onde seria? E como seria a sua ‘forma’?

De novo entre Porto e Gaia. Ver foto abaixo 🙂