Já arrancou o Fraunhofer Portugal Challenge 2013, uma iniciativa do centro de investigação Fraunhofer AICOS – sedeado no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) que visa premiar as melhores ideias de estudantes e investigadores de universidades portuguesas.

O concurso, que este ano vai na sua 4ª edição, tem como grande objetivo promover e premiar a investigação científica de utilidade prática, orientada para o mercado, e que tenha em conta a aplicabilidade das ideias e dos seus resultados na indústria ou no quotidiano das pessoas.

Com o Fraunhofer Portugal Challenge, o AICOS desafia as mentes mais criativas a apresentarem as suas ideias, que devem ser baseadas em teses de Mestrado ou de Doutoramento, e estar relacionadas com as áreas científicas definidas para o concurso: Tecnologias da Informação e da Comunicação, Multimédia e outras ciências semelhantes. São aceites candidaturas baseadas em teses que tenham sido submetidas para defesa nos anos lectivos de 2011/2012 e 2012/2013.

Os concorrentes podem submeter a sua candidatura em www.challenge.fraunhofer.pt, até 31 de julho de 2013. Após duas fases de seleção, na final estarão seis vencedores: três na categoria de Mestrado e outros três na categoria de Doutoramento, havendo um total de 9.000 euros para distribuir entre estes finalistas.

As três anteriores edições do Fraunhofer Portugal Challenge, lançado em 2010, tiveram excelentes resultados e revelaram algumas ideias com grande potencial de mercado e com possibilidade de implementação. Entre as ideias que foram premiadas nas edições anteriores encontravam-se, por exemplo um sistema para turistas, baseado em pequenos objetos físicos que interagem com informação digital (2010); um pequeno dispositivo de comunicação wireless que consegue funcionar sem bateria, indo buscar energia a ondas eletromagnéticas (2011); ou uma aplicação para smartphones que consegue rapidamente prever o avanço de um determinado incêndio florestal (2011); e  uma ferramenta que permite aos médicos detetar e diagnosticar problemas cardíacos de forma mais eficaz  (2012).