O Empreendedorismo “trocado em miúdos” na U.Porto

Encontro levou cerca de 100 estudantes e alumni empreendedores à Reitoria da U.Porto

 Realizou-se no passado dia 4 de dezembro o 1º Fórum de Estudantes Empreendedores da Universidade do Porto. Perto de uma centena de estudantes, e alguns alumni, reuniram-se no salão nobre da Reitoria  para discutir o que é feito em termos de empreendedorismo na instituição, o que pode ser melhorado e a quem podem recorrer quando tiverem uma ideia.

Após a intervenção inicial de Carlos Brito, na qual o pró-reitor para a Inovação e o Empreendedorismo destacou das parcerias, protocolos e facilidades em termos de inovação que a Universidade oferece à sua comunidade, João José, responsável pelo MIETE (Mestrado em Inovação e Empreendedorismo Tecnológico) apresentou uma das melhores alternativas de formação para quem leva o empreendedorismo a sério: “O empreendedorismo implica construir algo complexo a partir do nada e não o conseguimos se não tivermos uma grande paixão”, disse aos estudantes.

Na opinião do professor da FEUP, ter uma ideia é o ponto de partida “mas não é o ponto de chegada”. E acrescentou que  “Universidade do Porto é rica em oferta para os mais ambiciosos empreendedores”.

Ao longo da tarde, os participantes puderam ainda interagir com membros da UPIN (Universidade do Porto Inovação) e do UPTEC (Parque de Ciência e Tecnologia), que apresentaram as suas propostas para fazer crescer o empreendedorismo. Filipe Castro, da UPIN, explicou questões como a propriedade intelectual e os direitos de autor, patentes e seus requisitos. Já Clara Gonçalves, diretora executiva do UPTEC, convidou os jovens a irem ter com a Universidade quando precisarem: “Nós temos as portas abertas para vos ajudar na construção do negócio”, disse.

A “fuga de talentos” da Universidade, motivado pelo atual panorama económico do país,  foi outros dos temas em foco. “Temos 30% a ir trabalhar para fora”, avisou Clara Gonçalves. Os estudantes presentes tiveram, então, oportunidade de expor as suas dúvidas e inquietações, colocando questões aos oradores convidados. Carlos Brito respondeu com uma palavra de estímulo: “Não vamos falar em crise. Podemos até cair. Mas temos sempre a obrigação de nos levantarmos”.

Os estudantes revelaram também algumas preocupações no que toca à pouca informação acerca das entidades que os podem ajudar a ser empreendedores. A hora já ia avançada e o público foi para casa com uma missão, lançada pelo professor Carlos Brito: “Ajudem-me, Vocês estão no terreno, conhecem professores e colegas. O que nós queremos é que vocês levem por aí a chama do empreendedorismo e a mantenham acesa”.

O próximo Fórum de Estudantes Empreendedores da U.Porto deverá realizar-se dentro de um ano.