NVIDIA apoia investigação pioneira da FCUP

Equipa liderada por Miguel Coimbra (à esq. na foto) conta ainda com os contributos de Francisco Renna e Jorge Oliveira, também da FCUP. (Foto: DR)

O projeto de investigação “SmartHeart”, liderado por Miguel Coimbra, docente do Departamento de Ciência de Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), foi recentemente distinguido no âmbito do programa NVIDIA GPU Grant Program, com a atribuição de uma placa NVIDIA GeForce Titan Xp.

Através deste apoio, a gigante multinacional de tecnologia e uma das principais produtoras de placas de vídeo do mundo reconhece a importância de um projeto pioneiro, que pode abrir portas para melhorar o processo de auscultação cardíaca automática, recorrendo à tecnologia para ouvir o que o ouvido humano não consegue.

 A auscultação cardíaca é um dos mais simples e rápidos exames de rastreio cardiopulmonar, com uma relação custo-eficácia imbatível. No entanto, a mestria desta arte clínica é difícil de atingir, dadas as características específicas do som de auscultação, desadequadas para o ouvido humano.

No caso do “SmartHeart”, a aplicação dos mais recentes avanços na teoria de deep learning, que requer equipamento de elevada capacidade para o seu processamento complexo, tem sido um dos grandes desafios colocados aos investigadores envolvidos no projeto. A placa gráfica atribuída NVIDIA, acoplada a uma estação de trabalho adequada, cria assim as condições ideais para as experiências a realizar pela equipa responsável do projeto, no âmbito da linha de investigação em “Deep Learning for Enhanced Signal Processing in Automatic Cardiac Auscultation”.

A investigação em sistemas CAD (Computer-Assisted Decision) centra-se fundamentalmente em desafios de processamento de sinal e de aprendizagem máquina, em que as arquiteturas de deep learning têm mostrado um elevado potencial na resolução deste tipo de problemas, abrindo caminho a novas avenidas de investigação a ser exploradas pelos investigadores.

Neste grupo de investigação, integrado no Instituto de Telecomunicações (IT), estão ainda envolvidos o também professor da FCUP, Francisco Renna, e o investigador Jorge Oliveira.