Investigador da FMUP vence prémio Junior Researcher Award 2012

Tiago Sousa Veloso arrecadou o terceiro prémio do evento

Tiago Sousa Veloso, médico interno e estudante de doutoramento da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), foi distinguido com o 3º prémio (exequo) do Junior Researcher Award 2012, numa cerimónia que decorreu nos dias 3 e 4 de julho em Viena, Áustria.

Mood, Hypertension and Target Organ Damage – A Cohort Study in a Primary Care setting é o título do projeto de investigação que valeu a Tiago Veloso a distinção atribuída pelo júri. Adstrito à sua tese de doutoramento, o trabalho visa estudar mulheres com hipertensão e depressão, avaliando a associação existente entre os sintomas depressivos e a gravidade/evolução da hipertensão arterial (HTA).

Deste modo, o principal objetivo do seu projeto prende-se com a “identificação de possíveis marcadores biológicos e psicossociais relacionados com a presença de elevados níveis de pressão sanguínea na população feminina”, tal como é o caso do stresse, do apoio social ou até do estado afetivo, descobrindo em que medida existe influência por parte destas variáveis.

A ambição do Junior Researcher Award é, acima de tudo, promover uma geração de novos médicos de Medicina Geral e Familiar que incluam competências de investigação no tratamento dos pacientes como uma carreira de vida, homenageando assim as suas propostas de investigação. A edição 2012 surge no âmbito do 8th Vasco da Gama Movement Preconference, um grupo de trabalho inserido no World Organization of Family Doctors (WONCA Europe), destinado a novos e futuros praticantes de Medicina Geral.

Como estudante do Doutoramento em Metabolismo – da Clínica à Experimentação, Tiago Veloso considera que a Medicina Geral e Familiar – sua área de especialização – é “uma escolha coerente com o passado, não deixando de lado nenhuma área da Medicina e enveredando pela que assiste a homens e mulheres, mais e menos jovens, em contexto de proximidade e preocupação holística”, caraterizando a Medicina Familiar como “uma consequência lógica de uma vivência apaixonada da Medicina”.