ICBAS vai estudar “segredos” dos centenários portuenses

Em 2011, existiam 1.474 pessoas com 100 ou mais anos em Portugal, 182 dos quais residem na Área Metropolitana do Porto. (Foto: DR)

O aumento da longevidade humana e do número de pessoas que  chegam a festejar o seu centenário tem vindo a despertar o interesse dos investigadores em conhecer os fatores associados a uma vida longa. É nesse contexto que nasce 0 “PT100 – Estudo dos Centenários do Porto“, um estudo pioneiro promovido pela Unidade de Investigação e Formação sobre Adultos e Idosos (UNIFAI) do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto (ICBAS), que tem como meta principal contribuir para a identificação dos fatores associados à extensão da longevidade e à qualidade” com os quais é possível viver numa idade avançada.

O objetivo geral do estudo passa por obter um perfil global sobre o estado de saúde e bem-estar psicossocial dos centenários a residir na Área Metropolitana do Porto. “Este estudo valoriza a compreensão do fenómeno da longevidade e inclui uma perspetiva psicológica e transcultural”, acrescenta Óscar Ribeiro, investigador da UNIFAI, em declarações à agência Lusa.

Logo na primeira fase, que arranca com entrevistas aos centenários e aos seus familiares, os investigadores esperam obter um conhecimento valioso sobre aqueles: onde vivem, qual o seu padrão de utilização de serviços, as redes sociais em que estão inseridos, a sua felicidade e bem-estar ou ainda variáveis biocomportamentais (tais como o peso, altura, pressão arterial, visão e audição).

Para além da recolha destes dados, os responsáveis pelo estudo acreditam que a multidisciplinariedade da equipa no terreno será capaz de melhor interpretar e cobrir as principais áreas do processo de envelhecimento, desde a saúde aos aspectos psicológicos e sociais associados à qualidade de vida dos centenários. Em declarações à Agência Lusa, um dos responsáveis por este estudo, Óscar Ribeiro, refere a inexistência de “dados sobre a realidade dos centenários, mas os censos revelam um aumento expressivo desta população”.

O “PT100 – Estudo dos Centenários do Porto” vai contar também com uma perspetiva comparada a nível internacional,  através da colaboração com investigadores dos estudos sobre centenários de Heidelberg (Alemanha) e de Fordham (EUA).