Estudo do CINTESIS alerta para “novos” fatores de risco de AVC

Um estudo clínico liderado por Jorge Polónia, médico e investigador do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, demonstrou que para além do sódio (presente em elevadas quantidades no sal), o consumo de potássio também tem influência no surgimento de acidentes vasculares cerebrais (AVC) e outros problemas cardiovasculares. Contudo, ao contrário da ingestão de sódio, que deve ser reduzida, os níveis de potássio devem ser aumentados, alerta a equipa de investigação daquela Unidade de I&D da Universidade do Porto.

O objetivo da equipa de investigação foi avaliar a relação entre a ingestão de sódio e de potássio com a ocorrência de eventos cerebrovasculares, a nível nacional. O estudo envolveu mais de 2 mil pessoas com menos de 65 anos de idade. Foi analisada a urina de 24 horas de uma amostra representtiva da população portuguesa, no que se refere à excreção de sódio e de potássio. Paralelamente, foram analisados registos hospitalares fornecidos pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), relativos aos eventos cerebrovasculares da população adulta não-idosa.

O estudo permitiu verificar que mais do que dos níveis altos de sódio, é da combinação de níveis altos de sódio com níveis baixos de potássio que resulta o aumento do risco de sofrer um AVC.  “Os resultados revelaram que existe uma correlação entre o desequilíbrio na ingestão de sódio e de potássio com a ocorrência de eventos cardiovasculares. O sódio ingerido é reconhecidamente um fator agressor cardiovascular enquanto o potássio exerce um efeito compensatório de proteção vascular. Quanto maior a desproporção entre a ingestão destes dois sais minerais, maior o risco de sofrer um evento cardiovascular”, explica Jorge Polónia, que estuda a realidade portuguesa no que se refere à hipertensão e saúde cardiovascular dos portugueses há mais de uma década.

Estudo clínico foi liderado por Jorge Polónia, médico e investigador do CINTESIS.

O atual membro da Direção da Sociedade Europeia de Hipertensão e professor da Faculdade de Medicina da U.Porto (FMUP) explica ainda que o corpo humano está adaptado a uma dieta mais natural, pobre em sódio e rica em potássio, tal como a dieta mediterrânica, por exemplo. “Os padrões alimentares da sociedade atual, que inverteram este equilíbrio, aumentando o sódio e reduzindo o potássio, constitui uma ameaça para a saúde cardiovascular”, explica. E dá um exemplo: “no Paleolítico, a ingestão de potássio era dez vezes superior à ingestão de sódio. Mas na sociedade atual, os níveis de sódio já superam os níveis de potássio em 2,5 vezes”.

Jorge Polónia levanta mesmo a hipótese de poder ser benéfico suplementar a alimentação em potássio nalguns grupos da população, embora afiance que uma alimentação equilibrada, que para alem da marcada redução de ingestão de sal inclua alimentos ricos neste nutriente, como feijão, grão, favas, ervilhas, batata, cereais, banana e frutos secos, seja suficiente para a maioria da população reduzir o risco de sofrer problemas cardiovasculares.

Recorde-se que, de acordo com outro trabalho liderado pelo especialista do CINTESIS, a taxa de mortalidade por AVC em Portugal sofreu uma redução de 46% nos últimos dez anos (dados do PHYSA – Prevalence, awareness, treatment and control of hypertension and salt intake in Portugal: changes over a decade – o maior e mais completo estudo realizado em Portugal sobre prevalência e controlo de hipertensão, consumo de sal e padrões genéticos relacionados com a hipertensão). Ainda assim, os resultados demonstraram que os portugueses continuam a consumir demasiado sal: 10,7 gramas/dia, em média, quando as recomendações internacionais estabelecem um limite de 5,8 gramas/dia.

Para além de Jorge Polónia, colaboraram neste trabalho Luís Martins, Fernando Pinto, José Nazaré e Simão Abreu. O estudo foi apresentado no maior evento científico da Sociedade Europeia de Hipertensão.