Estudo biomecânico da U.Porto quer revolucionar hóquei em patins

O FC Porto e o FC Barcelona foram algumas das equipas que colaboraram no estudo.

Melhorar o desempenho dos atletas de hóquei em patins e dar visibilidade à modalidade é o principal objetivo do estudo biomecânico que um grupo de investigação ligado à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) está a desenvolver desde 2010. A investigação, pioneira a nível mundial, incide sobre os ringues e o material utilizado pelos atletas, tendo já envolvido a colaboração de equipas como o FC Barcelona e o FC Porto.

Esta é a primeira vez que uma equipa de investigadores se dedica ao estudo biomecânico do hóquei em patins, a modalidade que “mais títulos deu ao nosso país”, assegura Mário Vaz, professor da FEUP e um dos mais entusiastas pela investigação. O interesse surgiu do facto de os dois filhos serem praticantes da modalidade no clube Infante de Sagres e de não haver nenhum estudo biomecânico ligado ao hóquei em patins.

“A nossa intenção passa por estudar todo o equipamento associado a esta modalidade, até os guarda-redes, com os seus equipamentos de proteção (…) e contribuir para melhorar o desempenho dos atletas de alta competição”, explica o investigador.

De forma a conseguir uma boa base científica para o estudo, os investigadores desenvolveram múltiplos testes, não só nos ringues, mas também no equipamento dos atletas. Para isso foi necessário contactar de perto com equipas profissionais que estivessem dispostas a colaborar no estudo: para além do FC Porto, também a equipa do FC Barcelona participou nos testes realizados. Nesta fase foi também crucial a colaboração de Nuno Carrão, treinador adjunto da seleção nacional de sub 20, que recentemente se sagrou campeã da Europa.

A parte do desempenho dos jogadores foi analisada por investigadores da Faculdade de Desporto da U.Porto (FADEUP), que têm feito um trabalho notável com a atleta Naide Gomes, campeã mundial de salto em comprimento e com Beatriz Gomes, atleta olímpica de canoagem.

De acordo com Mário Vaz, este estudo biomecânico será continuado em breve e estendido às equipas femininas e, se possível, alargado aos fabricantes de equipamentos, como é o caso da JETROLLER, fabricante de patins.

SABIA QUE…

No passado dia 7 de dezembro, foi inaugurado o Laboratório de Biomecânica da U.Porto – LABIOMEP, uma infraestrutura que implicou um investimento de 1,7 milhões de euros e que é já um dos três melhores laboratórios de Biomecânica da Europa no que toca a equipamentos e tecnologia de ponta. O principal objetivo do LABIOMEP é o estudo do movimento biológico, desde o movimento do batimento cardíaco para a conceção de próteses até ao movimento de atletas para melhoria da performance desportiva.

O LABIOMEP envolve até ao momento 29 investigadores da U. Porto de seis faculdades diferentes e de dois centros de investigação: Faculdade de Ciências, Desporto, Engenharia, Medicina, Medicina Dentária, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, juntamente com o Instituto de Engenharia Mecânica e o INEGI – Instituto de Engenharia e Gestão Industrial. Para além dos quase 30 investigadores, o centro conta ainda com cerca de 20 bolseiros de investigação a desenvolver projetos a longo prazo.