Dois cientistas de craveira internacional são mantidos prisioneiros pelos nazis e são obrigados a colaborar com o esforço de construir um armamento nuclear. E com eles pode também alterar-se o rumo da guerra mais mortífera da história da humanidade… Passa por aí o enredo de A Solução Final, o novo livro de Orfeu Bertolami, professor catedrático do departamento de Física e Astronomia, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), recentemente lançado pela editora U.Porto Press.

Partindo de factos reais como a ascensão do nazismo na Alemanha, a perseguição aos intelectuais e a imposição das leis raciais, a Grande Guerra, a política de extermínio, o desenvolvimento armamentista e o objetivo de construção de armas nucleares, a obra constrói uma trama alternativa para a História do mundo entre 1933 e 1945.  

“A minha motivação era entender como foi (e é) possível que, apesar dos extraordinários avanços artísticos, científicos, culturais e humanísticos, muitos países caíram (caem) no poço das políticas da ignorância, do preconceito, da intolerância e da xenofobia”, explica Orfeu Bertolami,  que começou a escrever sobre este tema 2008.

A Solução Final aborda assim um conjunto de “lições para o presente e futuro” deixadas pela Segunda Grande Guerra. Ao longo do livro, são ainda discutidos os substanciais avanços científicos e tecnológicos em física, química e atemática que tiveram lugar “durante este tão sombrio período da História da Humanidade”, remata o autor.

A obra integra a coleção “Fora de Série” da U.Porto Press e pode ser adquirida aqui.