Está a planear uma visita à Baixa do Porto em agosto? Quer fugir dos locais mais procurados pelos turistas? Tem espaço para uma pausa para um pouco de história, arte, música e ciência? E que tal fazer tudo isto de forma gratuita, num dos espaços mais icónicos da cidade e “berço” da melhor universidade portuguesa? Aponte as coordenadas e siga as nossas sugestões para um programa inesquecível no Edifício Histórico (Reitoria) da Universidade do Porto. Ah, e não se esqueça da câmera fotográfica!

As Rainhas do Rock

Se gosta de música portuguesa, então não vai querer deixar de subir ao “altar do Rock” que pinta, desde março passado, uma das paredes do Auditório da Casa Comum, logo à entrada do edifício (pela Praça Gomes Teixeira, aos Leões). Ali, encontrará os vestidos de Manuela Azevedo (Clã) e de Lena D’Água, as luvas de boxe de Ana Deus, a guitarra acústica de Xana (Rádio Macau), ou o acordeão celebrizado por Sandra Baptista (Sitiados e A Naifa). Ou não fosse através de objetos – há também  fotografias, discos, cassetes,  pautas, bonecas, entre outros – que se conta a história das Mulheres que Fazem Barulho!, título da exposição que presta homenagem a 16 “mulheres relevantes do rock português”.

Organizada pela Casa Comum e pelo Instituto de Sociologia da U.Porto, a exposição, que é acompanhada por um programa de eventos paralelos, vai estar patente ao público até final de setembro e pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30, e ao sábado, das 15h00 às 18h00.

Algumas das Mulheres que Fazem Barulho! durante a inauguração da exposição, em março passado. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

Recordar José Saramago

Sabia que se comemora, em 2022, o primeiro centenário do nascimento do primeiro (e único) Nobel da Literatura português? Continuando nos espaços da Casa Comum (Galerias I e II), poderá celebrá-lo em Ver Cegueira Adentro – 100 Anos de José Saramago, exposição resultante de um promessa feita pelo artista Agostinho Santos a José Saramago. O resultado é uma mostra de pintura, escultura, desenho e livros de artista, composta por mais de cem obras – quase todas  realizadas entre 2019 e 2021 -e expostas pela primeira vez ao público.

Com curadoria de Valter Hugo Mãe, Ver Cegueira Adentro – 100 Anos de José Saramago pode ser visitada até 31 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30, e ao sábado, das 15h00 às 18h00. Aproveite também para adquirir o catálogo da exposição, publicado pela U.Porto Press.

Ver Cegueira Adentro explora o imaginário de Saramago pela mão de Agostinho Santos (Foto: João Soares/U.Porto)

A História contada em 100 “tesouros”

E que tal um encontro imediato com um lobo com mais de 100 anos, um esqueleto de um espadarte com cerca de 4,20, uma máscara fúnebre do Antigo Egito ou uma coleção de borboletas apreendida pelo Estado Português durante a 1.ª Guerra Mundial? Contornando o Edifício Histórico até à Cordoaria, são estas e muitas outras histórias do passado que poderá encontrar em O Museu à Minha Procura, título da exposição que está patente, até final do ano, no Polo Central (Reitoria) do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP).

Servida como um “aperitivo” para o futuro Museu da Universidade do Porto, atualmente em construção, a exposição  pode ser visitada de terça-feira a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 (último acesso às 17h30). Visitas guiadas podem ser agendadas através do e-mail [email protected]

O Museu à Minha Procura reúne mais de 100 “tesouros” do MHNC-UP. (Foto: João Soares/U.Porto)

Viagem pela história da Química

Mudamos de sala e continuamos a viajar pelo passado, desta vez para uma aula de Química muito especial no renovado Laboratório Ferreira da Silva, o mais recente ex-libris do Polo Central do MHNC-UP.

Resultado de um investimento ambicioso que permitiu recuperar o mesmo aspeto do espaço aquando da sua inauguração, há mais de 100 anos, o agora Laboratório-museu propõe uma viagem pela história da Química, na “companhia” de  mais de 80 instrumentos científicos, frascos com produtos químicos, amostras minerais, utensílios de laboratório, livros e mobiliário. Pelo caminho, convida-se a conhecer um pouco mais sobre a figura de António Ferreira da Silva, fundador do Laboratório, antigo professor e diretor da Faculdade de Ciências (FCUP), e “pai” da Toxicologia Forense no nosso país.

O Laboratório Ferreira da Silva pode ser visitado no Edifício Histórico da U.Porto, com entrada pela fachada sul (à Cordoaria), de terça a sexta-feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00, com a última entrada às 17h30. Aos sábados, domingos e feriados, o horário será das 10h00 às 13h00. A entrada é livre (ainda que limitada a 10 pessoas) e gratuita.

Se não puder visitar o espaço pessoalmente, poderá sempre fazê-lo numa visita virtual.

O Laboratório Ferreira da Silva reabriu as portas ao público em abril de 2021 (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

A melhor foto para o Instagram

Prontos para não dar descanso ao telemóvel ou à máquina fotográfica? Vizinha de alguns dos 10 locais mais instagramáveis do Porto, segundo a revista Time Out, a “casa mãe” da U.Porto é ela própria digna de um post(al) memorável!

Faça fila para “tocar” a Lua suspensa que celebra os 50 anos da chegada do Homem ao único satélite da Terra, junto à entrada principal. Arrisque-se numa selfie com o esqueleto de alossauro que dá as boas-vindas aos visitantes do Polo Central do MHNC-UP.  E claro, não perca uma foto refrescante junto à fonte dos Leões (que são grifos…), com o edifício da Universidade de fundo. E, no fim, partilhe o resultado connosco!

Sobre o Edifício Histórico da U.Porto

Erguendo-se sobre o antigo Monte do Olival, em plena Praça Gomes Teixeira, o Edifício Histórico da Universidade do Porto  foi construído sobre os alicerces do Colégio dos Meninos Órfãos e da Igreja de Nossa Senhora da Graça (século XVII).

Após a criação da Universidade, em 1911, o edifício passou a acolher as instalações da Reitoria, da Faculdade de Ciências (1911-2006), da Faculdade Técnica (1915-1937), da 1ª Faculdade de Letras (1919) e da Faculdade de Economia (1953-1974).

Na sequência do incêndio que destruiu parte do edifício em 1974, os serviços da Reitoria foram transferidos em 1976 para as instalações do ex-CICAP, na Rua D. Manuel II. Regressariam em 2007, após a saída definitiva dos departamentos da Faculdade de Ciências para o Campo Alegre.

Atualmente, e para além dos serviços da Reitoria, estão aqui sedeados, o Polo Central do Museu de História Natural e da Ciência (MHNC-UP), a Casa Comum, a Loja da Universidade do Porto ou a histórica Biblioteca do Fundo Antigo