Universidade do Porto é a mais inovadora em Portugal

A FEUP foi a faculdade da U.Porto que mais pedidos de patente nacional (9) emitiu em 2918. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

Em 2018, as faculdades e institutos associados da Universidade do Porto emitiram 46 pedidos de patente portuguesa. Os dados, que constam do último relatório anual do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI), confirmam o estatuto do da U.Porto como principal produtor de ciência e inovação em Portugal.

Restringindo a análise às unidades orgânicas da U.Porto, só no ano passado, partiram dali 17 pedidos de patente nacional. A Faculdade de Engenharia destaca-se com nove pedidos, seguindo-se a Faculdade de Ciências, com três, e a Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, com dois. As faculdades de Desporto, Medicina Dentária, Medicina e o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) também entram nesta listagem, com um pedido por faculdade.

Destes 17 pedidos de patente, a maioria (seis) centra-se na área da saúde e, com especial relevo, ni domínio dos dispositivos médicos. Os restantes dividem-se pelas áreas da Energia, ambiente e construção (cinco), Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (três), Transportes e Segurança (dois) e Biotecnologia, tecnologia alimentar e agricultura (um).

Na comparação com as outras instituições de ensino superior nacionais, a U.Porto destaca-se no topo da tabela, ao lado da Universidade do Minho, ambas com 17 pedidos realizados como primeiro requerente. Ao pecúlio da instituição portuense há, contudo, que somar três pedidos na qualidade de co-requerente.

Seguem-se as universidades de Coimbra e da Beira Interior (UBI) e o Instituto Politécnico de Leiria, com 10 pedidos, a UTAD e a Universidade de Aveiro, com nove; o Instituto Superior Técnico (IST), com sete; a Universidade do Algarve e o Instituto Politécnico de Coimbra (IPC), com seis, a Universidade Nova de Lisboa, com cinco; a Universidade Católica Portuguesa, com quatro; a Universidade de Lisboa e a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, com três, o Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e o Instituto Politécnico de Bragança )IPB), com dois, e o Instituto Politécnico de Viana do Castelo e o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), com um pedido realizado.

Liderança absoluta

Mas se o contributo das faculdades bastaria para confirmar a liderança da U.Porto, os números ganham outra dimensão quando a análise é alargada aos centros de investigação e institutos associados da Universidade. Neste cenário, o número de patentes “made in U.Porto” sobe para 46, fruto dos contributos do INESC TEC (12 pedidos), do i3S -Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (11 pedidos) e do CIIMAR (6).

Com estas 46 patentes, a U.Porto assume mesmo a liderança absoluta entre as instituições que mais pedidos de invenção nacionais realizaram em 2019, superando a Bosch Car Multimedia Portugal (26).

O relatório estatístico do INPI relativo a 2018 pode ser consultado aqui.