Universidade do Porto domina bolsas Fulbright de Investigação 2016/2017

Bolseiros Fulbright 2016/2017

Os 14 bolseiros Fulbright portugueses 2016/2017 Fulbright reuniram-se em julho para um encontro de orientação promovido pela Comissão Fulbright. (Foto: DR)

Os investigadores Cláudia Brito, Carolina Furtado Silva e Gonçalo Lacerda, todos eles com ligações com à Universidade do Porto, são os três portugueses que, durante o ano letivo 2016/2017, vão ter a oportunidade de prosseguir os seus projetos de investigação nalgumas das mais importantes universidades e centros de investigação dos Estados Unidos, ao abrigo do prestigiado programa de bolsas de investigação atribuídas anualmente pela Comissão Fulbright.

No valor máximo de 8 mil euros e com um duração que pode ir de quatro a nove meses, as bolsas Fulbright de Investigação – a que se junta este ano a Bolsa Fulbright para Investigação em Saúde Pública – destinam-se a investigadores das diferentes áreas do conhecimento, desde que sejam licenciados, tenham bons conhecimentos de inglês e um projeto aceite por parte da instituição de acolhimento.

Licenciada (2011) e mestre (2013) em Bioquímica pela U.Porto, Cláudia Brito frequenta o Programa Doutoral em Biologia Molecular e Celular do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) e da Faculdade de Ciências da U.Porto (FCUP). A desenvolver o seu projeto de doutoramento no Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) – integrado no i3S, Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da U.Porto -, a cientista portuense está agora de malas feitas para a Universidade de Yale, uma das mais antigas e prestigiadas universidades dos EUA.

Da Faculdade de Engenharia da U.Porto para o MIT será por sua vez o percurso traçado no próximo ano letivo por Carolina Furtado Silva. Mestre em Engenharia Mecânica, Carolina ruma a Cambridge (Massachusetts) com o objetivo de continuar o projeto iniciado em 2015, no Programa Doutoral em Engenharia Mecânica da FEUP.

Gonçalo Lacerda foi o único português distinguido com uma Bolsa Fulbright para Investigação em Saúde Pública. Licenciado em Medicina Veterinária pela Universidade de Évora e Mestre em Oncologia pelo ICBAS (2006), o atual investigador do Centro de Oncologia dos Açores tem como destino o National Cancer Instituto, organismo responsável pela coordenação do U.S. National Cancer Program.

Para além das três bolsas de investigação, a U.Porto garantiu ainda uma Fulbright Travel Grant, destinada a estudantes que pretendam frequentar o primeiro ano de um programa de mestrado ou de doutoramento numa universidade acreditada nos EUA. O contemplado foi Tiago Freitas, licenciado em Economia pela FEP que terá a oportunidade de cumprir um período de estudos na prestigiada Harvard University.

Ao todo, foram atribuídas a Portugal 14 bolsas Fulbright para o próximo ano letivo. Os contemplados reuniram-se no passado dia 13 de julho num encontro de orientação promovido pela Comissão Fulbright.

Sobre o Programa Fulbright

Administrado atualmente em mais de 150 países e patrocinado pelo Bureau of Educational and Cultural Affairs do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América, o Programa Fulbright foi criado em 1946 por proposta do Senador J. William Fulbright com o objetivo de, através do intercâmbio internacional de estudantes e professores, promover o entendimento mútuo, a partilha de ideias e a busca de soluções para problemas globais. Em Portugal, o Programa é administrado pela Comissão Fulbright.

Desde o início da implementação do Programa Fulbright em Portugal, em 1960, mais de 1300 estudantes e professores portugueses e 750 norte-americanos receberam bolsas Fulbright numa variedade de áreas académicas.