U.Porto sensibiliza estudantes internacionais para o uso do 112

Estudantes internacionais em São Bento

Só no primeiro semestre deste ano letivo, cerca de 1200 estudantes de todo o mundo frequentaram a U. Porto ao abrigo de programas de mobilidade. (Foto: Egídio Santos / U.Porto)

Consciencializar os estudantes para a existência do 112 permitindo  que se protejam de forma mais responsável e eficaz em situações de emergência. É este o objetivo da ação de sensibilização que a Universidade do Porto e o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) promovem no próximo dia 11 de fevereiro, especialmente destinada aos estudantes que estão a estudar na U.Porto ao abrigo de programas de mobilidade internacional no Ensino Superior. A iniciativa enquadra-se nas comemorações do Dia Europeu do 112, Número Europeu de Emergência, promovidas pela Associação Europeia de Emergência (EENA).

Ao longo dia, os participantes vão ter a oportunidade de conhecer todo o dispositivo que se “esconde” por detrás do 112, tendo como palco as instalações do INEM – Delegação Regional do Norte, no Porto. O programa – que se vai repetir de manhã e de tarde – inclui uma sessão informativa e uma visita guiada.

O Número Europeu de Emergência 112 foi criado em 1991 e é desde 2008 o único número de emergência que pode ser usado de qualquer telefone fixo, móvel ou telefone público aceder aos serviços de emergência em qualquer país da União Europeia, gratuitamente. Esta alteração levou à instituição, em 2009, do Dia Europeu do 112, assinalado em todos os países da União Europeia através da realização de várias ações e eventos, de modo a alertar todos os cidadãos para a importância da correta utilização do 112.

Segundo o Eurobarómetro, apenas 27% dos cidadãos europeus sabe que o 112 pode ser utilizado em qualquer país da União Europeia em caso de emergência. Uma realidade que afeta especificamente os mais de 250 mil estudantes que, todos os anos, viajam pelo espaço europeu no âmbito do programa Erasmus +. “Os baixos níveis de consciencialização para a existência do 112 são alarmantes e tornam as pessoas vulneráveis, especialmente estudantes jovens e em viagem. Fornecer-lhes informação clara e consistente tem que ser uma prioridade, não apenas hoje, mas todos os dias”, salienta Gary Machado, Diretor Executivo da EENA.

Só no primeiro semestre do ano letivo 2015/16, cerca de 1200 estudantes de todo o mundo frequentaram a Universidade do Porto ao abrigo de programas de mobilidade internacional no Ensino Superior como o Erasmus+ Estudos, o programa Santander ou o Ciência sem Fronteiras (Brasil). A U.Porto recebe estudantes de 71 países sendo que o Brasil (377), a Espanha (165), a Itália (117), a Polónia (70) e a Alemanha (65) são as cinco nações mais representadas.