U.Porto recebe Festival Internacional de Polifonia Portuguesa

Festival inclui oito concertos a ter lugar de 11 a 20 de julho, em várias igrejas da região Norte.

O Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto vai acolher no próximo dia 12 de julho , pelas 17h00, o seminário “O Barroco e a Polifonia em Portugal”, organizado pela Fundação Cupertino de Miranda no âmbito do seu Festival Internacional de Polifonia Portuguesa (FIPP).

O seminário, de inscrição  gratuita,  contará com a participação de Paula Cardona (numa intervenção sob o título “Arte dos Sentidos”), Manuela Pinto da Costa (“Ouro, Aparato e o Mundo: Paramentaria da Época”), José Manuel Tedim (“Portugal no Mundo”), José Abreu e Luís Toscano (“Dilemas de um Tenor: Processos de Reconstrução dos Responsórios de Natal de Duarte Lobo”).

Sendo já uma referência na divulgação do reportório da Polifonia Portuguesa, nomeadamente dos séculos XVI e XVII, a terceira edição do FIPP vai decorrer durante os dias 11, 12, 13, 14, 18, 19 e 20 de julho, numa sucessão de oito concertos e oito visitas guiadas – para além do referido seminário -, contando com a participação da Cappella Musical Cupertino de Miranda e de dois importantes nomes da música internacional, Juan Carlos Rivera (vihuelista) e James O´Donnell (organista).

Esta sucessão de eventos irá dividir-se por Vila Nova de Famalicão (Igreja de Santa Maria de Landim), Braga (Igreja do Bom Jesus, Igreja do Mosteiro de Tibães e Igreja de São Victor), Barcelos (Igreja Nossa Senhora do Terço), Amarante (Igreja de São Gonçalo) e, pela primeira vez, em duas igrejas de referência na cidade do Porto (Igreja de São Francisco e Igreja de São Lourenço). À semelhança dos anos anteriores será editado um livro com textos sobre a polifonia portuguesa e com informação sobre os monumentos onde se realizam os concertos.

Sob a direção artística de Luís Toscano, a programação do terceiro FIPP apresentará uma seleção de composições de músicos portugueses de projeção internacional, incluindo obras de Pedro de Cristo (c.1550-1618), Duarte Lobo (c.1565-1646), Manuel Cardoso (1566-1650), Estêvão de Brito (c.1575-1641), Manoel Cabreira (c.1590-1645), entre outros.

Mais informações aqui.