U.Porto lidera Comité Técnico da RedEmprendia

Carlos Melo Brito, Pró-Reitor da U.Porto, foi nomeado Diretor do Comité Técnico da RedEmprendia.

Carlos Melo Brito, Pró-Reitor da Universidade do Porto com o pelouro das Relações com Empresas, Inovação e Empreendedorismo, é o novo diretor do Comité Técnico da RedEmprendia, a rede universitária ibero-americana de apoio à transferência de conhecimento e ao empreendedorismo.

Criada em 2008, a RedEmprendia é atualmente constituída por 28 universidades de oito países ibero-americanos (Portugal, Espanha, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Perú), contando com o apoio do Banco Santander e da Universia – a maior rede de universidades de língua portuguesa e espanhola.

De salientar que as universidades da RedEmprendia representam mais de 1,5 milhões de estudantes, de 150 mil docentes e investigadores e cerca de 1.200 empresas spin-off, o que faz dela a maior rede universitária dedicada à promoção do empreendedorismo no ensino superior.

Tendo por objetivo promover a transferência do conhecimento, o desenvolvimento tecnológico, a inovação e o empreendedorismo, a RedEmprendia desenvolve programas internacionais de apoio à criação e consolidação de empresas com base em talento e conhecimento gerados nos ecossistemas universitários.

Cabe agora a Carlos Melo Brito coordenar o Comité Técnico que, reunindo os representantes das 28 universidades participantes, é responsável pela definição estratégica das atividades da RedEmprendia. O Pró-Reitor da Universidade do Porto é acompanhado pelo seu homólogo da UNAM – Universidad Nacional Autónoma de México, Juan Manuel Romero, que assume o cargo de subdiretor do Comité Técnico.

Nas palavras de Carlos Melo Brito, “esta é uma oportunidade para afirmar o posicionamento internacional da Universidade do Porto e partilhar a sua vasta experiência no apoio à inovação e ao empreendedorismo com as suas congéneres da América Latina”.

“O sucesso registado pela U.Porto nos últimos anos neste campo – marcado pelo rápido crescimento do número de patentes submetidas, o número de startups fundadas e o número de postos de trabalho criados – faz de nós um caso de estudo internacional”, afirmou o Pró-Reitor da U.Porto.

Por isso mesmo a Universidade do Porto tem uma posição privilegiada para colaborar com as suas congéneres ibero-americanas no apoio à valorização económica e social do conhecimento retirando, por seu turno, a vantagem de contactar com novas abordagens nesta matéria. “Trata-se de um excelente exemplo daquilo que deve ser uma estratégia win-win”, conclui Carlos Melo Brito.