U.Porto lança debate sobre os desafios do mar português

Temas como a biodiversidade, a pesca ou os desafios tecnológicos vão estar em debate durante estes dias no OC 2013.

De 14 a 17 de maio, vários investigadores internacionais de instituições como a University of Washington, University of Haway ou a United States Coast Guard vão estar presentes na APDL – Administração dos Portos do Douro e Leixões, para o OC 2013 – Oceans: Challenges and Opportunities, conferência internacional organizada pela Universidade do Porto.

Estes especialistas internacionais debatem, ao longo destes quatro dias, temas como as mudanças climáticas, a pesca, poluição e a perda da biodiversidade nos oceanos e também os avanços tecnológicos em robótica, sensores e processamento de dados passíveis de ser aplicados em investigação e desenvolvimento de negócios relacionados com o mar.

A sessão de abertura do OC 2013 – Oceans: Challenges and Opportunities (14 de maio, pelas 9h15) contará com a presença do Diretor-Geral de Política do Mar, João Fonseca Ribeiro, e o Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto Abreu, estará presente na sessão de encerramento (no dia 17 de maio).

A participação na conferência é livre e gratuita (exceto no que toca às atividades inseridas no programa social), ainda que sujeita a uma inscrição prévia.

O programa completo da conferência pode ser consultado aqui.

  • Maria Irene Barros

    Li, na NACIONAL GEOGRAPHIC que, 95% do peixe consumido era oriundo da China. Será mesmo? Que desencanto ! Nós que temos peixe, e não só, tão bom , no mar e rios, pela privilegiada situação geográfica! Que pena, não terem sabido gerir esta riqueza! Espero que, destes debates, resulte iluminação para o futuro, dando força às aulas de pesca. Que delicioso sabor tinham as Bogas na Foz do Tua! Quem dirige a Política dos Rios? Quanto gostava de ver subir as Lampreias no Rio Tua! Sei que, no progresso há sempre o reverso e a Foz do Tua foi muito atingida, pelas estradas e caminhos de ferro, mas se tivesse havido entendimento entre a Engenharia e a Biologia, quando foram construídas as Barragens no Rio Douro, continuaríamos com Lampreias e Enguias, nos nossos rios Transmontanos. Muito sucesso na discussão deste assunto.

  • Luísa Leite

    Eu, nascida no meio de pescadores (Matosinhos) tenho saudades das safras carregadas de peixe, da azáfama naquela praia, do movimento provocado pela compra e venda do peixe. Há anos atrás, “mandaram-nos” virar as costas ao mar e ficamos cada vez mais pobres. Pobres financeiramente e pobres em património cultural. São os resultados de políticas e políticos incompetentes!!!